13 Reasons Why: A desilusão da terceira temporada

13 Reasons Why, uma das mais polémicas séries da Netflix, estreou no dia 23 de agosto a sua terceira temporada. Se na primeira temporada o grande problema foi a retratação de forma bastante explícita do suicídio da personagem principal, Hannah Baker, (nota: recentemente a Netflix decidiu remover esta cena, substituindo-a por uma menos explicita) e, se na segunda temporada o problema foi o a violência e a representação gráfica da violação de Tyler, nesta terceira temporada não existe apenas um, mas diversos problemas:

  1. A tentativa de vitimizar Bryce Walker
Resultado de imagem para 13 reasons why who killed bryce walker
Fonte: Screen Rant

13 reasons why regressa com um grande mistério “quem terá morto Bryce Walker?”, acabando por mostrar o vilão da série como uma vítima e tentando desculpar todos os seus atos de violência. Ou seja, Bryce Walker é transformado numa personagem com um lado mais “humano”, tentando apelar à comoção do espetador. Contudo, ninguém consegue sentir pena de um monstro como ele.

Para os mais esquecidos, Bryce Walker era um violento aluno do liceu de Liberty High que sempre nos foi apresentado como o antagonista da história, visto que cometia diversos crimes, entre os quais as violações de Hannah, Jessica e Chloe (a sua própria namorada).

2. A existência de uma nova personagem, que é também a nova narradora

Fonte: PopBuzz

Ani surge como a nova estudante do liceu Liberty High, que acaba de se mudar para os EUA, diretamente da Grã-Bretanha. Ani é, também, a nova narradora da trama, contudo narra os acontecimentos de maneira quase omnipresente, uma vez que sabe tudo sobre os todos os personagens, incluindo os seus maiores segredos. Este facto não faz muito sentido porque, supostamente, ela terá chegado à cidade há pouquíssimos meses. Para além disso, Ani está constantemente a espiar as outras personagens, a ouvir conversas alheias e a “meter o nariz onde não é chamada”.

Os fãs da série não ficaram convencidos com esta nova personagem e o ódio que a atriz Grace Saif recebeu nas suas redes sociais levaram a que tivesse tornado o seu Twitter privado e apagado todas as publicações do Instagram. Alguns colegas de elenco da atriz acabaram por a defender, relembrando que é preciso respeitar o trabalho dos atores por detrás das personagens.

3. 13 episódios é demasiado e o final não é convincente

Se na primeira temporada fazia sentido existir 13 episódios, visto que, em cada episódio nos era revelada mais uma das treze cassetes que Hannah deixou após o suicídio, nesta terceira temporada, os 13 episódios não se justificam. De facto, os 13 episódios poderiam ser facilmente reduzidos para 6 ou 7 e, mesmo assim, já seriam episódios demais para a qualidade da série.

Por fim, é de realçar que passamos os 13 episódios enfadados e a tentar descobrir quem foi que afinal matou Bryce Walker e o assassino acaba por ser revelar bastante previsível – daí que o final não seja de todo cativante.

Portanto, esta foi uma temporada realmente má, desde o primeiro até ao último episódio. O feedback do público também não foi positivo, sendo que os fãs exigem que a quarta e última temporada da série sejam canceladas.

 Este é mais um exemplo de uma série popular que se deveria ter ficado pela primeira temporada, visto que a sua evolução se tornou uma grande desilusão.

Revisto por: Ana Patinho

Artigos recentes

Crítica a The Politician

A descrição “comédia dramática” nunca havia sido tão bem aplicada antes. The Politician, uma das mais recentes apostas da Netflix, traz fortes emoções, para além

Ler mais »

te·sou·ro

(latim thesaurus, -i) substantivo masculino 1. Grande quantidade de ouro, prata, coisas preciosas, posta em reserva. 2. Lugar onde se guardam esses objetos (tipicamente escondido)

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *