7 livros que tens de ler este outono

Apesar de as temperaturas não o fazerem parecer, o outono já chegou e sabemos que naqueles dias chuvosos que, com certeza, acabarão por vir só te vai apetecer acender umas velas e ler um bom livro. Por isso, vimos indicar-te sete livros perfeitos para esta época do ano.

#1 Pumpkinheads de Rainbow Rowell

O novo livro de Rainbow Rowell é perfeito para esta época. Acolhedor e outonal, Pumpkinheads conta a história de dois amigos – Deja e Josiah – que mantém uma relação bastante peculiar. Só se encontram no outono, mais especificamente no dia um de setembro, para escolher e cravar as melhores abóboras. Durante todo o secundário, este ritual manteve-se, mas, no último ano antes da faculdade, os dois amigos vão ver-se confrontados com a finitude da sua tradição. Será que antes do Halloween esta dupla conseguirá embarcar numa última aventura?

#2 Pão de Açúcar de Afonso Reis Cabral

O segundo livro de Afonso Reis Cabral tem feito furor e promete misturar, de forma genial, factos verídicos e a imaginação do autor. Inspirado num crime de ódio que chocou o país em 2006, o romance aborda a vida de uma vítima transgénero e dos seus agressores, entre os 12 e os 16 anos. O nome da obra, Pão de Açúcar, é igual ao do edifício onde o crime ocorreu e onde estava projetada a construção de um centro comercial, mas que na altura se encontrava abandonado. Vencedor do Prémio Saramago 2019, o livro permite ao leitor descobrir mais sobre este crime, embora o autor tenha já referido que a sua preocupação não foi retratar a história como aconteceu, mas sim construir à sua volta.

View this post on Instagram

📖 Ao contrário do que a introdução fazia crer, este é um livro em que o escritor se anula, sem vedetismos, para dar lugar a uma história densa, negra, angustiante. A ruína do “Pão de Açúcar” sempre me seduziu, enquanto objeto de um futuro que se tornou passado, um tipo de decadência urbana a que o Porto esteve sujeito ao longo dos anos 90 e 00. Quem vê hoje a cidade, polida, feérica, não imagina o que foi durante essas décadas, onde as prostitutas, os toxicodependentes, os mendigos, os delinquentes e os assaltantes faziam da baixa o seu recreio. É neste cenário que as personagens se movem, numa sub-urbe pútrida onde pessoas como Gisberta se viram de repente obrigadas a existir delapidadas da mais ínfima dignidade. Mas o livro é muito mais do que isto. É mais também do que o facto de Afonso Reis Cabral não saber utilizar a gíria portuense (é constrangedor ver usadas as palavras “azeiteiro”, “puto” ou “banana”, tão fora do léxico daquele tipo de personagem, e curioso como a sintaxe da gíria e do calão portuenses continua a ser tão difícil). Ultrapassadas estas distrações, deparamo-nos com uma história galopante, que nos aprisiona ao ponto de entrarmos num labirinto de emoções, num desejo de querer mudar o passado. E, no fim, uma raiva sem fim. A ternura imensurável a ser radicalmente violentada e a certeza de que a maldade, neste caso quem a perpetra, não tem a densidade emocional ou reflexiva capaz do arrependimento. Além de todas as questões sociais e judiciais levantadas pelo drama de Gisberta, a mais alta fica propositadamente sem resposta: como é possível tamanha monstruosidade ter sido fabricada a dois passos do conforto das nossas vidas. 🏙 Na imagem, o prédio onde Gisberta foi torturada continuamente ao longo de quase meio mês. Ia ser um hipermercado, no final dos 80’s, mas a obra parou no tempo, tendo-se tornado refúgio para sem abrigo, parque de estacionamento, entre outros. Hoje há um projeto para erguer um grande edifício no local. ____________________ 🏷 #literacidades #porto #pãodeaçúcar #afonsoreiscabral #omeuirmão #domquixote #leya #transfobia #lgbtq #gisberta

A post shared by Literacidades (@literacidades) on

#3 Truly Devious de Maureen Johnson

Ellingham Academy. Um colégio privado somente frequentado pelos melhores dos melhores. Uma escola repleta de mistérios e esconderijos e onde o lema é “Um lugar onde aprender é um jogo.”. Quando Stevie Bell entra na Ellingham Academy tem um objetivo em mente: resolver o rapto da família do fundador da escola, que ocorreu há anos e cuja única pista é um enigma assinado com o pseudónimo “Truly Devious”. Contudo, este plano toma rumos inesperados com o retorno do criminoso. Será que Stevie conseguirá resolver o mistério?

#4 Stalking Jack the Ripper de Kerri Maniscalco

Stalking Jack the Ripper decorre durante a época vitoriana do século XIX e passa-se em Londres. Audrey é uma rapariga de boas famílias que contraria as expetativas da sociedade ao passar muito do seu tempo no laboratório do tio a estudar medicina forense. É aí que se verá envolta nos mistérios e reviravoltas de um assassino em série. O livro, escrito de modo a que o leitor suspeite de todas as personagens e completo com imagens, dá-nos uma nova perspetiva sobre a busca por Jack the Ripper.

#5 Horrorstör de Grady Hendrix

Em Cleveland, Ohio, nos EUA, uma loja da cadeia Orsk tem vindo a ser vítima de acontecimentos bastante estranhos. Estantes, roupeiros, jarros e muitos outros objetos aparecem partidos e, sem culpado aparente, três trabalhadores oferecem-se para trabalhar durante a noite e investigar o que realmente se passa. Se no início da noite tudo parece normal, rapidamente os três voluntários se apercebem de novos graffitis nas paredes da loja e descobrem os segredos e o passado que esta loja esconde. Em forma de um catálogo do IKEA, Horrorstör merece louvor pelos detalhes: um mapa da loja, bem como as imagens dos produtos e as suas descrições, que se tornam, progressivamente, mais obscuras… Todos estes aspetos tornam a experiência de leitura mais interessante e cativante.

#6 E não sobrou nenhum/As dez figuras negras de Agatha Christie

Dez estranhos unidos por uma pessoa e um convite para passarem um fim de semana numa ilha na costa de Devon. Sem o paradeiro do anfitrião e após a revelação de que todos os convidados escondem segredos terríveis e foram atraídos àquela ilha como pretexto de algo desconhecido, o clima de tensão é enorme. Na primeira noite, e sem qualquer forma de fugir daquela ilha misteriosa, os convidados ouvem um poema que faz antever o que se irá passar. Após o que promete ser somente o primeiro assassinato, os dez escolhidos apercebem-se de que os seus destinos estão selados e um deles é responsável por aquela morte e seguidas ameaças. Antes do final daquele fim de semana não sobrará nenhum.

View this post on Instagram

Oi, Oi gente! Tudo bom? . Dez estranhos reunidos em uma ilha reclusa no interior de Devon. Aparentemente convidados por pessoas que conheciam. Dez estranhos com passados que querem esconder. Um mistério que reúne todos eles. . No condado de Devon existe uma ilha quase que inóspita, a Ilha do Soldado, que nos últimos tempos virou palco de mistério. Construída por um milionário e vendida logo em seguida, ela vem passando pela mão de diversos donos até chegar as mãos do Mr. Owen, um discreto indivíduo que aparentemente ninguém nunca viu. . Aparentemente, passar alguns dias nessa propriedade luxuosa não seria um tarefa difícil para nenhuma das 8 pessoas convidas e cuidar dessa quantidade pequena de hóspedes não seria trabalho algum para o casal de empregados, Mr. e Mrs. Rogers. . Um poema sobre Dez soldadinhos numa ilha era somente um poeminha infantil não é? E bem, dez soldadinhos de brinquedo eram somente peças de decoração não é? . Eu encerro o enredo da história por aqui, por que se não, já viu… E não sobrou ninguém pra ler o livro, hahaha! . Foi meu primeiro contato com a escrita da autora, e eu amei muito! A forma como ela vai primeiro apresentando os personagens e dando uma pista do segredo que cada um esconde te deixa com a pulga atrás da orelha. Depois, quando todos estão reunidos você só quer saber o que virá a seguir… E quando o mistério começa…. Ahhh, você não consegue mais parar de ler! . Enfim, eu amei o livro e quero ler mais livros da autora, o próximo com certeza vai ser Assassinato no expresso oriente! . . #ENãoSobrouNenhum #OCasoDosDezNegrinhos #AgathaChristie #Mistério #RainhaDoCrime #Resenha #Bookstagram #Bookstagrammer #Instabooks #Instabook #Books #Book #Instalivros #Instalivro #Livros #Livro #EuAmoLer #EuAmoLivros #Literatura #Leitura #EuAmoLer #ILoveRead #EuAmoLivros #ILoveBooks

A post shared by Meus Livros e Eu (@meuslivros_e_eu) on

#7 Neverwhere de Neil Gaiman

Após a série de televisão lançada pela BBC em 1996 e que contou com três episódios, um dos produtores decidiu recontar a história antes de algumas das mudanças feitas para a televisão e mostrar-nos mais deste novo mundo. Neverwhere retrata os acontecimentos inesperados da vida de Richard Mayhew, em Londres, depois de um pequeno gesto de bondade o levar para um mundo subterrâneo onde monstros, anjos e muitas mais criaturas convivem – Neverwhere. Richard vê a sua vida completamente virada do avesso agora que ninguém o parece reconhecer e a sua nova realidade parece tão familiar quanto bizarra. Neverwhere vai encantar todos os que gostam de história, mitologia e fantasia urbana. E para aqueles que tipicamente não gostam deste género, pedimos que deem uma chance a este livro, que retrata Londres de uma forma totalmente diferente.

Artigo revisto por Vitória Monteiro

Artigos recentes

Crítica a The Politician

A descrição “comédia dramática” nunca havia sido tão bem aplicada antes. The Politician, uma das mais recentes apostas da Netflix, traz fortes emoções, para além

Ler mais »

te·sou·ro

(latim thesaurus, -i) substantivo masculino 1. Grande quantidade de ouro, prata, coisas preciosas, posta em reserva. 2. Lugar onde se guardam esses objetos (tipicamente escondido)

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *