Moda e Lifestyle

A MixedFeelings é a primeira marca portuguesa exclusiva de bucket hats

Machismo nas escolas britânicas, skate, uma grande “fita” após a criação do primeiro chapéu e tutoriais no YouTube são alguns dos fatores que originaram a criação da marca.

Chapéu “Blue Lemonade”.
Fonte: MixedFeelings

Este chapéu não foi concebido com uma intenção estética, mas funcional. O bucket hat foi criado, no início dos anos 1900, para agricultores e pescadores irlandeses, com o propósito de os proteger da chuva. Também chamado Kangol bucket hat, o famoso chapéu mole de aba anã foi cameo na moda dos anos 70 e o it-hat no mundo do Hip Hop dos anos 90 (talvez LL Cool J ou Notorious B.I.G vos diga alguma coisa). No entanto, a ideia de bucket hats da marca MixedFeelings não é uma regressão ao movimento Hip Hop ou aos floppy hats dos anos 70, mas um gosto pessoal que assenta bem nos outfits dos co-fundadores.

Lara Walker e Tomás Loureiro, fundadores da MixedFeelings, com o chapéu “Alfama
Fonte: MixedFeelings

Lara Walker e Tomás Loureiro, ambos de 21 anos, são o jovem casal que criou a primeira marca portuguesa exclusiva de Bucket Hats. A marca MixedFeelings lançou os seis primeiros chapéus a 1 de novembro de 2020. Cor algodão-doce, estampas florais e chapéus reversíveis são alguns traços característicos que constituem a primeira coleção.

Com uma parte da infância passada em Manchester, na Inglaterra, Lara Walker, natural dos Açores e filha de pais ingleses, aprendeu a costurar no contexto escolar: “Lá na primária, na Inglaterra, era obrigatório as meninas aprenderem a costurar. Muito machista.

Fonte: MixedFeelings

Instigada pelo tédio da quarentena e pelo seu namorado, Tomás, a recém-licenciada em Comunicação e Cultura decidiu comprar uma máquina de costura. Começou por fazer uma máscara para o namorado e depois lançou-se na criação de um chapéu que, segundo ela, foi um “flop”. “Fiz grande fita”, relembra Lara, aos risos. “Eu nem tinha um molde de jeito, fui eu que tive de fazer o molde. Ficou horrível. Fiquei tipo «não vai haver marca, não vai haver nada, não vou fazer chapéus nenhuns».”

Fonte: MixedFeelings

No entanto, Tomás, skatista, detentor da marca de skates NASRUAS e filmmaker de “surf e desportos radicais”, enviou à Lara um tutorial do YouTube de um bucket hat reversível e disse que esta deveria experimentar fazer o mesmo. “A ideia colou um bocadinho”, diz Lara. Pouco tempo depois, “preparámos os letterings e tudo e pusemos as mãos à obra”, relembra Tomás.

Tomás Loureiro, co-fundador da MixedFeelings, com o chapéu reversível “Açores”.
Fonte: MixedFeelings

O nome MixedFeelings procede do conceito inicial da marca: o mix and match, em que os clientes escolhiam as combinações que podiam ser feitas a partir dos tecidos que a marca propunha. No entanto, como a moda é uma indústria muito subjetiva, Lara e Tomás aperceberam-se do trabalho que teriam se tivessem de atender a todos os pensamentos conflitantes, aos gostos e especificidades de todos os clientes.

No processo criativo, “ele é mais de comunicação. Eu sou costureira, sou eu que faço mesmo os chapéus. Agora, o trabalho e o design são feitos pelos dois. Se um de nós não gosta do tecido, não vai, está fora. Depois, o Tomás é mais do marketing, comunicação e das fotos.”, acrescenta a co-fundadora.

Com fotos entre as ruas lisboetas e a praia da Costa da Caparica, os fundadores e os seus amigos protagonizam com os chapéus unisexo da MixedFeelings. Bucket hats de tamanhos S, M, L, reversíveis, de padrões florais, às riscas e de estampas de limoeiros ganham destaque nos cliques. Cada chapéu da MixedFeelings, feito por encomenda,custa 20 euros, sem portes de envio.

Fonte: MixedFeelings

Lara acredita que a indústria da moda portuguesa “é um bocado underrated, honestamente. Nós temos tipo artistas e designers muito bons aqui em Portugal.” Segundo a mesma, os portugueses ainda não têm como prioridade comprar nacional e, como consequência, dá-se hype aos internacionais e depois os nacionais ficam um bocado atrás.” Já Tomás diz ter notado que o público feminino tem mais tendência a “comprar das marcas pequenas. Como eu tenho a marca de skates, notei logo uma diferença. Quiseram logo comprar tudo (os chapéus da MixedFeelings).”

“Nós damos o nosso toquezinho pessoal nas cenas, vai ser sempre diferente.”

A MixedFeelings dá ênfase à importância do contacto com os clientes e os gostos dos mesmos: “Temos pedido mais feedback aos clientes a perguntar se há algum tipo de palete de cores de que eles gostem mais, se há texturas que eles gostavam de ver e agora, com a segunda coleção que estamos a preparar, já muita gente pediu preto, impermeável e padrões de animal.”

Com a próxima coleção em vista “vamos ter um chapéu preto, impermeável e bombazine. Vão só ser 3 modelos, mas, do nosso ponto de vista, vão ser tipo muito melhores do que os 6 que temos agora e vão ser muito mais apropriados para a estação.” Lara Walker garante que há colaborações fixes a caminho.”

Fonte: MixedFeelings
 
Fonte: MixedFeelings
Fonte: MixedFeelings
Fonte: MixedFeelings
Fonte: MixedFeelings

Visita a página MixedFeelings em https://www.instagram.com/mixedfeelings.pt/

Artigo revisto por Ana Sofia Cunha

Fonte da foto de capa: MixedFeelings

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *