• Desporto

    Artigo de opinião: Benfica, campeão!

    Parecia que ainda ontem estava em Agosto, fresco de vir da praia, bronzeado, mais gordo e pronto para mais nove meses de bipolaridade futebolística, passando por tremendas variações de humor e funcionamento cardíaco, porque infelizmente ser adepto de futebol é assim. Se forem do Sporting, acabam tristes, mas sem desapontamentos: só acabam ligeiramente desiludidos, porque serão gozados pelos vossos amigos, independentemente do clube. Para os adeptos do Benfica, foi um final feliz: o 37º, para ser mais específico. Mas, partindo da desapontante época de 2017/2018, aquela que culminou com a conquista do título numa expressiva vitória caseira frente ao Santa Clara não se previa fácil. Apesar de ser um treinador…

  • Literatura

    As Moradas de Pessoa em Lisboa

    Da urgência do pensamento que exigia ser transposto para o papel ao defeito de uma inclinação própria para a desorganização, motivos para que a obra pessoana não estivesse completamente organizada na arca aquando da morte de Pessoa não faltaram. E, é claro, as suas sucessivas mudanças de morada foram, certamente, um desses motivos. Com a família ou em quartos alugados, nos vários anos em que o poeta viveu na Lisboa onde nasceu, e de onde via quanto da terra se pode ver do Universo, foram muitas as ruas onde habitou. Por apenas alguns meses ou por vários anos, estas foram as casas de várias cores de Fernando Pessoa, o poeta…

  • Opinião,  Uncategorized

    When Orange is the new Black

    Passou quase um mês desde que acordámos num mundo que já a partir de Janeiro terá no comando um homem cujas capacidades para exercer o cargo de presidente da actual maior potência mundial são bastante duvidosas. E nem é necessário que se tenham ouvido os discursos que Donald Trump fez durante a sua campanha ou assistido aos debates em que enfrentou Hillary Clinton para se perceber isso. Basta prestar atenção à exótica tonalidade alaranjada da pele do republicano. Isto porque, para alguém incapaz de manusear correctamente uma lata de spray auto-bronzeador, deve ser difícil o correcto manejo das leis e dos acordos de um país com a dimensão e o…

  • Opinião,  Secções

    Só aqueles que se atrevem vencem verdadeiramente

    Para se conduzir qualquer carro é necessário, em primeiro lugar, conhecer-se bem o motor que se tem nas mãos: saber se atinge grandes velocidades, se aguenta bem as ultrapassagens, ou se tem pedalada para as subidas. Para se conduzir um Ferrari, além de tudo isto, é também preciso – já dizia Jorge Jesus e bem – que se tenha “andamento para ele”. Só que afinal Jorge Jesus não é o único capaz de se sentar ao volante da máquina encarnada. Nesta troca de carros, ou melhor, de condutores, Rui Vitória também conseguiu que o Ferrari Benfica continuasse a andar. E Jorge Jesus, apesar de ter acordado o potente motor da…

  • Opinião,  Secções

    Desculpa, Novo Acordo, mas a evolução é outra coisa

    *Este artigo funciona em complementaridade com o artigo “Como utilizar e odiar o Novo Acordo Ortográfico” anteriormente publicado na ESCS MAGAZINE.* Já ouvi vários especialistas e uns quantos não especialistas defenderem com unhas e dentes, e com algumas palavras caras, o Novo Acordo Ortográfico como uma coisa positiva. Volta e meia, reabre-se a discussão e lá vem a afirmação convicta de que a mudança na ortografia foi uma evolução para a Língua Portuguesa. Mas eu tenho de admitir que essa promessa de evolução não é capaz de me convencer. Não me levem a mal os defensores desta nova grafia. Não é uma embirração gratuita ou uma teimosia injustificada. A minha…

  • Opinião,  Secções

    Como utilizar e odiar o Novo Acordo Ortográfico

    Primeiro passo – Aprenda durante a sua vida escolar inteira como se deve escrever. Saiba o lugar dos c’s e dos p’s que não se leem e coloque adequadamente os acentos e sinais ortográficos nas palavras a que pertencem. Sinta-se bem por saber escrever corretamente, respeitando a complexidade e a beleza da Língua Portuguesa, e por conseguir ler com fluência sem temer a confusão entre um pára e um para. Segundo passo – Veja irremediavelmente um Novo Acordo Ortográfico ser implementado. Sofra ao aperceber-se de que o seu programa Word, os livros que acabou de comprar, os programas televisivos a que assiste e os documentos oficiais que assina foram dominados…

  • Opinião,  Secções

    Os deuses ficaram loucos

    Algures no alto mar, uma mãe perdeu-se do seu filho. Pouco depois ele veio dar à costa, sozinho. Encalhado na areia, banhado por uma ponta de mar, o pequeno parecia inerte. O vulto do corpinho despertou a atenção, e depressa se formou uma multidão no local. Uns olharam, outros tocaram, outros tomaram o bebé nos braços. Mas nenhum ajudou o pequeno a segurar o delgado fio de vida que talvez lhe restasse. Aquela mãe tornara-se então uma mãe sem filho. Esta podia ser a história de um naufrágio. Esta podia ser a história de uma mãe vítima da crise síria. Esta podia ser a história de uma mãe qualquer. No…

  • Opinião,  Secções

    Não destruam os clássicos!

    *Era uma vez uma linda menina conhecida na sua aldeia como Capuchinho Vermelho por causa do seu belo capucho. Certo dia, a avozinha da Capuchinho, que morava do outro lado do bosque, adoeceu. Então, a mãe da Capuchinho pediu-lhe que levasse à avozinha um cesto com um bolo e um pote de mel. – Mas tem cuidado! Não te desvies do teu caminho nem fales com estranhos. Capuchinho assentiu. Pegou no cesto e partiu. Pelo caminho encontrou umas lindas flores e decidiu apanhar algumas para levar à avozinha. Estava Capuchinho distraída a colher flores quando apareceu o Lobo Mau, que a cumprimentou simpaticamente e lhe perguntou onde ia. – Vou…

  • Opinião,  Secções

    Portugal sem Tino

    Há quem diga que Aníbal Cavaco Silva tem sido um Presidente decorativo. Não é bem verdade. Chega até a ser injusto que se afirme tal coisa. Primeiro, porque se fosse para decorar, era preferível que os portugueses tivessem votado num bonito aparador – sempre era mais estético e ainda tinha alguma utilidade. E segundo, porque uma afirmação desta natureza menospreza relevantes ações deste homem. Não se pode ignorar a grandeza de feitos como o grande elogio às “agora maiores e mais saborosas” bananas da Madeira, de extrema importância para a motivação da produção nacional (e que más línguas defendem ter sido um meio de Pedro Passos Coelho ganhar tempo na…

  • Opinião,  Secções

    E quando o amor tem preço?

    Olá para ti que estás desse lado do vidro. Desculpa-me a indelicadeza de não me levantar, mas estou sem vontade. Sei que devia estar a fazer gracinhas. Tu ias rir-te e simpatizarias logo comigo. Depois, como todos os outros antes de ti, passarias por aquela porta e virias ver-me através deste outro vidro. Eu sempre deste lado, tu sempre do outro. Feito tonto, eu tentaria agradar-te ainda mais. Tu ias sorrir-me e chamar-me “fofinho”, “coisa fofa”, ou algo do género. Então, dirigir-te-ias à rapariga que está agora atrás do balcão, e que tem sido a minha única amiga desde há muito tempo, e perguntar-lhe-ias meia dúzia de coisas que eu…