• Desporto

    Game, Set, Match: O Roland-Garros de 2012

    Servir para vencer um encontro não é o mesmo que rematar num penalty. O silêncio, no ténis, é respeitado de tal forma que a ação pode parar ao mínimo sinal de desassossego. Por isso, quando um jogador está a servir para vencer um encontro, aqueles segundos de silêncio são ainda mais preciosos. O silêncio é tanto que quase conseguimos sentir uma pessoa suster a respiração do outro lado do court. Na verdade, sustemos todos a respiração. E quase conseguimos ouvir o bater do coração, cada vez mais acelerado. Isto tudo acontece em segundos – nos segundos em que o tenista bate a bola no chão e depois a eleva no…

  • Desporto,  Sem Categoria

    WIMBLEDON: histórias do qualifying

    Até há umas semanas, a fase de qualificação de Wimbledon era algo muito aguardado e os meios de comunicação social, um pouco por todo o mundo, estavam ansiosos por fazer a cobertura. Afinal, Maria Sharapova iria competir no qualifying… pela primeira vez! A tenista de 30 anos, que regressou à competição em Abril, depois de 15 meses de suspensão, acabou por se lesionar no Masters 1000 de Roma e teve de passar a oportunidade de lutar por um lugar no quadro principal do grand slam britânico. A cobertura estava assegurada – muitos recusaram a ideia de que o interesse era meramente na tenista russa -, mas não havia Sharapova. No…

  • Opinião,  Secções

    Os segredos das malas das mulheres

    Ou como os dois últimos anos mudaram a minha vida. No dia em que estiverem a ler este artigo, toda a direcção da ESCS MAGAZINE estará já em processo de mudança. Eu cheguei a esta equipa há dois anos. Neste tempo, escrevi uns cinquenta e tal artigos para quatro secções — esta incluída — e posso garantir-vos que no meu primeiro ano de Magazine aprendi mais do que em qualquer aula do meu curso. Basta-me ler o primeiro artigo que escrevi e um dos mais recentes para ver isso. Durante dois anos, tudo o que era música e livros era algo passível de ser transformado num artigo para aqui. Um…

  • Opinião,  Secções

    E se as palavras não vêm?

    De vez em quando, mais do que eu gostaria, tenho um pequeno problema em escrever. A inspiração não vem quando queremos e, pior do que isso, as palavras não vêm quando queremos. A verdade é mesmo essa: as palavras não vêm quando queremos. E isso é uma chatice! Há dezenas e dezenas de dicas e ideias sobre como lidar com bloqueios criativos ou sobre como enfrentar páginas em branco, etc., etc., mas nenhuma destas dicas se aplica ao caso de eu, por vezes, não saber o que escrever. Eu sei, eu sei: é um choque saber que eu nem sempre sei o que escrever! Mas é a verdade. As palavras…

  • Música,  Secções

    CASUAR: O Jogo Ainda Agora Começou

    8 de abril. Sexta-feira à noite. O Clube Lusitano, em Alfama, enche-se de pessoas. Na sala, as pessoas sentam-se no chão, preparadas para assistir à apresentação de “Game Over”, o primeiro álbum de CASUAR:, o projecto a solo de Rui Rodrigues. Sim, as pessoas estão sentadas no chão como se faz quando estás em casa com os amigos. Porque foi assim que a sala se compôs: cheia de amigos, para celebrar. Ele diz que o jogo acabou, mas, para nós, é só o início. Porque só um instrumento não chega Quando conheci o Rui só sabia que ele era guitarrista de uma banda pop. Não sabia mais nada sobre ele.…

  • Literatura

    Sete problemas de quem gosta de ler

    Gostar de ler é muito bom… até que deixa de o ser! Desengane-se quem acha que gostar de ler é fácil: não há coisa mais complicada! Não acreditam? Ora leiam! 1) Não te podes apanhar sozinho(a) numa livraria (ou na secção de literatura de uma loja) sem cometeres uma loucura; 2) Sempre que consegues ter dinheiro extra decides gastá-lo num livro… ou em vários; 3) As promoções em livros deixam-te mais feliz do que as crianças ficam no Natal; 4) Quando acabas um livro muito bom ficas de ressaca e não consegues escolher outro livro porque sabes que não chegará nem perto do nível do livro que terminaste; 5) Há…

  • Música,  Secções

    Paião: 28 anos depois

    Quem nunca trauteou: eles são duas crianças / a viver esperanças / a saber sorrir…? Ou então: pó / de arroz / do teu arrozal / esse pó que é fatal…? Não? A sério? Sou só eu? (…) Está bem: como castigo por nunca o terem feito, agora vão todos ouvir um qualquer álbum de Carlos Paião. Nascido em Coimbra, em novembro de 1957, Carlos Paião licenciou-se em Medicina, pela Universidade de Lisboa, em 1983. Por muito que quisesse salvar vidas, desde sempre soube que a sua arte estava nas suas letras e composições — aos 19 anos tinha mais de 200 temas escritos. Benfiquista ferrenho e fã das corridas…

  • Opinião,  Secções

    Quem tem um cão… tem tudo


    À data de publicação deste artigo, cá por casa estamos a celebrar o 14º aniversário da minha cadela. É verdade, a minha “menina” já tem 14 anos! Crescemos juntas e ela é um dos membros mais importantes da minha família. Quem tem animais de estimação irá, certamente, compreender-me. A Dama — cujo nome foi, muito originalmente, roubado à Dama do filme da Disney, A Dama e o Vagabundo, — nasceu cá em casa. Quando era bebé tinha como passatempo entrar sorrateiramente no meu quarto, pegar num qualquer chinelo e sair a correr. Quando eu a apanhava ela estava a roer o chinelo. Às vezes ela largava-o quando via que eu…

  • Opinião,  Secções

    Os dez mandamentos das viagens de Intercidades (e outros comboios)

    Demasiadas viagens de comboio haviam de resultar em alguma coisa. Neste caso, resultam em algumas regras de convivência úteis a qualquer pessoa. 1. Não ocuparás mais do que o teu lugar; 2. Não fixarás os ocupantes de outros lugares — incluindo os do lugar ao teu lado — quando não os conheceres; 3. Dirás “bom dia”/“boa tarde”/“boa noite” ao revisor. E “obrigado”/“obrigada”, também, se faz favor; 4. Não deixarás a casa-de-banho parecida com um cenário de guerra. Há mais gente a precisar de a usar e não dá para aguentar 54 minutos até chegar à paragem onde se sai; 5. Não incomodarás a pessoa ao teu lado se esta estiver…

  • Música,  Secções

    Um mês sem Bowie

    No dia anterior ao mundo perder David Bowie eu estive com um álbum dele na mão. Dizia eu “isto é tão, mas tão bom”, como quem elogia algo que acha que vai poder apreciar durante muito tempo. No dia seguinte, a primeira notícia que leio quando chego às redes sociais é a da morte do artista conhecido por “camaleão”. Isto aconteceu há um mês, de uma forma totalmente inesperada. Mas Bowie sabia o que fazia. A 8 de janeiro, aquando do lançamento do seu derradeiro álbum, Blackstar, e do seu aniversário, ninguém iria pensar que uns dias depois todas aquelas letras iriam ganhar um novo significado. Blackstar foi um trabalho…