Andamos permanentemente enganados em relação ao conceito, por ocasiões faustiano por outras só doentio, de ambicionar o sucesso sublime da realização pessoal. A esse conceito podemos chamar, de forma mais simplista, querer ser Deus, ou até vencer Deus.

Por outro lado, tantos que andamos apenas a desistir, a adiar, a achar que não servimos para nada nem para ninguém. Tantos que, temporariamente ou de forma perene, desistimos simplesmente da mínima condição de ser.

E é tudo apenas medo.

Queremos ser grandes por medo de falhar e por, na verdade, sentirmos necessidade de nos sentir superiores, porque não nos achamos tão bons assim. Remetemo-nos à auto-insignificância porque já sabemos que vamos falhar antes de tentar.

No primeiro caso, temos medo de descer ao escopo da Humanidade, porque temos medo que nos magoar. No segundo caso, temos medo de ascender ao escopo da Humanidade, porque sentimos que só a vamos estorvar.

É o medo que nos torna sobre-humanos e o mesmo medo que nos torna sub-humanos. O medo faz-nos seguir o caminho mais fácil. Porque é fácil fingir a coragem, rebaixando os outros. Como é fácil ficar na cama achando que viver é só respirar.

Difícil é assumir que temos medo e que não há alternativa. Quem diz não ter medo, mente. Move o medo as nossas vidas.

Ser humano parecia simples. Bastaria nem passar por cima dos outros, nem aceitar que passem por cima de nós. E não ser extremo parece tão óbvio e lógico. Mas é tão difícil… Ser humano é que é ser verdadeiramente grande.

Ser humano de condição mental e cultural, que ultrapasse a mera genética dos nossos antepassados, é, aos dias de hoje, muito difícil. Estranhamente difícil. Chamam-lhe sociedade fast-food. A sociedade de hoje sofre de ansiedade. Ansiedade é o medo do futuro demorar muito a chegar. E como solução colocam-nos à frente patranhas como essa merda do amor-próprio ou essa merda dos antidepressivos. Porque tem de ser tudo para ontem, porque o patrão paga metade quando estamos de baixa e a renda não se paga sozinha.

Não há tempo para sofrer. E sem sofrimento o que levamos disto? Ser sobre- ou sub-humano é simplesmente estar anestesiado da vida. Enchem-nos com tantas anestesias, que até abdicamos hoje voluntariamente da nossa humanidade. Entretemo-nos na vida. E é só. Deixamos o tempo correr, não pensando muito nisso. Deixar o tempo correr é ser voluntariamente invisível. Sofrer e ter medo passou a ser um hobby dos ociosos.

Não é rentável ser-se humano hoje.

Artigos recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *