Filmes para uma vida

Há filmes que nos marcam e que, por algum motivo que muitas vezes desconhecemos, passam o teste do tempo e se tornam em Clássicos.  Na lista que se segue prometemos que não haverá “vingadores” ou “ressacados”: ela tem por base um gosto próprio.

Citizen Kane

A demonstração mais poderosa da História do cinema. Ultrapassa uma só arte: fundiu-se com a História da cultura para ser um mito. Obra-prima absoluta, o filme de Orson Welles é obrigatório pela sua inovação no posicionamento de câmaras, complexidade da narrativa e o inesquecível “One Man Show” de Welles, que o posicionou como um dos maiores artistas do século XX. Citizen Kane é toda uma obra de memória e de encaixe dessa mesma memória – poderosos flashbacks anunciavam uma nova complexidade narrativa, uma nova forma de transmitir uma estória – numa espécie de “caixa maldita” de onde não fogem os pensamentos; onde tudo é reproduzido. A memória como nossa grande confidente, como nosso grande infortúnio.

La Strada

A obra escondida do gigante Federico Fellini. Muitas vezes preterida em favor de outros grandes filmes do italiano como Amarcord ou La Dolce Vita. La Strada é um dos mais bonitos “monumentos” do neo-realismo italiano e de todo o cinema. A interpretação de Anthony Quinn no papel do memorável Zampano leva o espectador a uma emoção difícil de explicar.

O Leopardo

O grande filme de Luchino Visconti, só isso garante ao O Leopardo um estatuto monstruoso no cinema.  Com cenas que questionam a arte como na magnífica cena do baile ou quando Burt Lancaster verte uma lágrima em frente ao um espelho que demonstra uma humanidade comovente. O papel de Lancaster é memorável. É uma sublime demonstração de um grande poder de controlo emocional nas cenas, magnânimo. Funde a arte da representação com a poesia. Obviamente indispensável em qualquer lista de filmes a ver.

Toiro Enraivecido

Talvez o melhor filme dos últimos quarenta anos. Martin Scorsese resgatado das trevas e da depressão por Robert De Niro numa parceria que já tinha deixado um marco indesmentível em Taxi Driver, mas que atinge o pináculo neste filme de 1980. É o papel da vida de De Niro, que tem junto com Joe Pesci uma das melhores interpretações de sempre.

O Padrinho

O filme mais conhecido da lista. Marco incontornável da cultura popular. O livro de Mário Puzo, com o mesmo nome e lançado primeiro, revestiu-se de uma enorme popularidade, mas o filme ultrapassou e bem o frenesim do livro. Extraordinária realização de Francis Ford Coppola. Viria a dar lugar à trilogia mais bem conseguida do cinema americano e consequência ou não uma das mais premiadas de sempre.

8 ½

O segundo de Federico Fellini na lista, baseado num autorretrato surrealista. Fruto de uma crise de inspiração do lendário realizador após o sucesso gigante de La Dolce Vita. Tem a entrada mais bonita da história do cinema e uma atuação soberba de Marcello Mastroianni. Um misto de cenas oníricas carregadas de surrealismo com momentos hilariantes de um ilusionista que desespera com o tempo a passar.

Fanny e Alexander

Qualquer lista de clássicos tem a obrigatoriedade da presença de Ingmar Bergman. O difícil é fazer uma escolha: Sétimo Selo, Morangos Silvestres, Cenas de um Casamento ou Lágrimas e Suspiros, que podiam facilmente estar presentes; o que prova a força de Bergman. Fanny e Alexander é carregado de um desespero assustador, um misto de terror psicológico com o drama. É um dos obrigatórios. É genial em todos os momentos.

O segredo de um cuscuz

O grande filme, até agora, deste século. Um dos expoentes máximos do cinema francês não é percursor de nenhuma nova tendência do cinema, como O Acossado de Godard, mas é um dos mais bonitos filmes do cinema Francês. Coincide com a consagração de Abdellatif Kechiche como um dos grandes. Incrivelmente simples, mas inesgotavelmente belo.

Ladrões de Bicicletas

Muitos cineastas consideram-no o filme mais marcante do Neorealismo, outros põem-no no topo da filmografia mundial. A obra de De Sica é um precioso fresco de época de uma Itália em ruínas. É uma das mais bonitas demonstrações da relação Pai e Filho no grande ecrã. Uma emocionante viagem por uma peregrinação trágica à condição humana.

Couraçado Potemkin

O filme mais antigo da lista. Esteio do cinema russo, e uma obra prima de Serguei Eisenstein, inovador para a época na sua montagem e nas cenas ousadas. Encomendado pelo regime soviético, não perde uma essência que balança entre a crueldade humana – como na cena da escadaria em Odessa onde os raios de luz são substituídos pela monstruosidade banhada a sangue – e a bondade. É um filme de revolta tanto a nível social como no âmbito cinematográfico.

Artigo revisto por Daniela Costa

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *