Artes Visuais e Performativas

Fundação Calouste Gulbenkian – Um Tesouro histórico escondido no centro de Lisboa

Fonte: https://images.app.goo.gl/t3V9UFiu2REVCReo7

Calouste Sarkis Gulbenkian, apaixonado pelas artes, colecionou, através de viagens e explorações, peças de arte e relíquias inigualáveis durante toda a sua vida. Ao todo, a coleção conta com mais de 6000 peças que retratam a história do mundo até ao século XX e nela estão presentes memórias do trabalho de Manet, Degas, Monet, Van Dyck, Rembrandt, Carpaccio e muitos outros artistas que marcaram a história da arte.

Em especial destaque, um dos principais elementos desta coleção – desde 1930 – é a célebre escultura de Diana, de Houdon, outrora pertencente a Catarina da Rússia.

Fonte: https://images.app.goo.gl/xP1jh6ugJyto2Zqy9

Ao longo dos anos a vasta coleção de Gulbenkian foi abrigada por diversos museus, sendo dividida por questões de segurança entre Paris e Londres. Eventualmente, algumas peças foram expostas na National Gallery of Art, em Washington. 

O colecionador sempre ambicionou que as peças fossem um dia reunidas e colocadas num espaço próprio e sonhava com o “Instituto Gulbenkian” – sonho que não se realizou durante a vida de Calouste Gulbenkian. Após longas negociações, em prol do objetivo de Gulbenkian, foi finalmente possível reunir todas as peças num só espaço, neste caso, em Portugal, a partir de 1960. 14 anos após a morte de Calouste Gulbenkian, foi finalmente possível realizar o último dos seus objetivos: a abertura da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e nela o museu com toda a sua coleção.

Memórias do neto
Fonte: https://images.app.goo.gl/D3yyWGbtngM7TuP9A

No jardim Lisboeta, também de seu nome “Gulbenkian”, na zona de São Sebastião, é possível encontrar o edifício que acolhe as milhares de peças de coleção artística, bem como uma orquestra, um coro, uma biblioteca de arte, um arquivo, um instituto de investigação científica e atividades educativas. 

A famosa coleção permanente do museu está dividida por vários setores, consoante a época/estilo da sua criação: 

Arte Egípcia, Greco-Romana, Mesopotâmia, Oriente Islâmico, Arménia, Extremo Oriente e na arte do Ocidente: escultura, Arte do Livro, Pintura, Artes Decorativas francesas do século XVIII e obras de René Lalique – Esta última foi adquiria pelo célebre colecionador ao próprio artista e é, por isso, considerada uma obra única no mundo. Atualmente, a sala encontra-se em remodelação e para a sua abertura está previsto o regresso de uma peça: o centro de mesa “Figura Feminina”.

Para além das diversas atividades culturais sempre abertas ao público de forma gratuita, a Fundação Gulbenkian, com a missão de fomentar uma “sociedade de oportunidades iguais e sustentáveis”, engloba um vasto conjunto de programas de inovação científica e de apoio social, tais como bolsas de estudo, subsídios sociais, parcerias com instituições humanitárias e organizações sociais que visam preparar em especial os jovens para o futuro. 

Para este fim, são pilares da fundação três ideais: a coesão e integração social, a sustentabilidade e o conhecimento e valores como a integridade e responsabilidade são pilares que a fundação ambiciona transmitir à população.

Fonte: https://images.app.goo.gl/gjL1JmvaPFaD5Eb87

Na sequência destes ideais, a Fundação Gulbenkian promove diversos programas de apoio social, científico e cultural: 

“Os Programas que a Fundação Calouste Gulbenkian promove refletem sobre temas da sociedade contemporânea, procurando respostas inovadoras para os problemas do mundo atual.” – Fundação Calouste Gulbenkian

Que programas são esses? 

  • Programa de cidadãos ativos – programa social, destinado ao auxílio de ONG ‘s, financiado pela Islândia, Liechtenstein e a Noruega, numa missão de apoiar a Sociedade Civil em Portugal.
  • Ajuda humanitária a Armênios de Nagorno-Karabakh – A Fundação Gulbenkian fez uma doação humanitária de 100 mil dólares aos Armênios de Nagorno-Karabakh, através do Hayastan All Armenian Fund – a organização pan-Arménia para o desenvolvimento. De forma a contribuir para o combate ao conflito armado da zona e reforçar a ajuda humanitária e os materiais de assistência médica.
  • O Programa Gulbenkian do Conhecimento – Este programa divide-se em dois ramos principais: educação e saúde. Com o intuito de contribuir para a prevenção e solução de problemas sociais complexos, o programa visa desenvolver conhecimentos e apoiar a educação e a preparação social nas áreas sociais e da saúde.  
Fonte: https://images.app.goo.gl/8Wy1znXuZ1k53W128
  • Desafios Gulbenkian – Este projeto piloto, também na área do interesse social, procura fomentar os conhecimentos e a investigação científica e proporciona contextos práticos para este desenvolvimento. 
  • Programa Gulbenkian Cultura – O programa procura apoiar, de forma urgente, a criação e a conservação cultural nas áreas da Literatura e Artes Performativas e do Cinema. De forma a estimular um interesse renovado na área da cultura e na criação de projetos inovadores, este projeto inclui a formação certificada de profissionais e de públicos das artes e culturas. 
Fonte: https://images.app.goo.gl/3jNSyiniBSKfEXn29
  • Programa Desenvolvimento Sustentável – O Programa Gulbenkian Desenvolvimento Sustentável apresenta uma perspetiva ambiental do equilíbrio social. Através de oportunidades sustentáveis de desenvolvimento sociocultural que visam promover uma sociedade mais coerente em termos ecológicos e económicos. 
Fonte: https://images.app.goo.gl/nWoreADsNnu9tmUV6

De momento, o museu está encerrado e, embora o trabalho social da fundação nunca pare, os investimentos práticos e culturais estão também em stand-by, devido à situação pandémica que ainda vivemos. 

Contudo, esta fundação altamente dinâmica é o local ideal para alimentar a curiosidade cultural de qualquer área, desde a matemática à arte do cinema. 

Embora as portas estejam fechadas, é possível alimentar o gosto pela arte através da visita virtual às exposições permanentes e aguardar que em breve seja possível revisitar este pequeno tesouro cultural que, embora não esteja escondido, pode muitas vezes passar despercebido.

Visitas online em: https://gulbenkian.pt/museu/colecoes/visita-virtual/

Fonte: https://images.app.goo.gl/Yhp5obAJEVtCYhRZ8

Artigo escrito por Andreia Simão

Artigo revisto por Ana Janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *