Nethanyahu forçado a novas eleições em Israel

Primeiro ministro israelita não conseguiu reunir apoios suficientes para uma coligação. Dissolução do parlamento leva a uma situação inédita de impasse político. Novas Eleições marcadas para 17 de setembro.

Depois de esgotar o prazo de 50 dias para negociar uma coligação de governo, o primeiro ministro de Israel, Benjamin Nethanyahu, teve de assumir a derrota. O desfecho das longas negociações não correspondeu ao esperado após as eleições de abril. Nethanyahu foi forçado, pelo eleitorado, a procurar uma solução de direita para governar, mas mostrou-se incapaz de chegar a um amplo acordo de governação.

Netanyahu precisava tanto do partido nacionalista, o Israel Nossa Casa, liderado pelo seu antigo aliado Avigdor Lieberman, como do religioso, Judaísmo Unido, para obter uma maioria. Contudo, a falta de entendimento entre os partidos no que toca ao serviço militar, algo fundamental na política israelita pelo seu histórico de confrontos, acabou por precipitar as negociações. A questão do serviço militar não é nova. Na altura da fundação do Estado de Israel, David Ben-Gurion, o primeiro chefe de governo do país, concedeu aos estudantes das escolas religiosas a possibilidade de não terem de fazer serviço militar. Esta exceção apenas se aplicava aos ultra-ortodoxos e aos árabes israelitas. Lieberman tem como objetivo aumentar a participação dos ultra-ortodoxos, que constituem uma fatia considerável da população de Israel.

Fonte: thetimesofisrael, foto de Miriam Alster/Flash90

A dissolução do parlamento é um mal menor para Nethanyahu, porque impede uma possível coligação de centro esquerda, o que colocaria o bloco de direita, considerado por muitos radical, em causa. Com a perspetiva de eleições, o país navegará até setembro em campanha política.

As eleições estão marcadas para 17 de setembro. Recorde-se de que Benjamin Nethanyahu lidera os destinos de Israel desde 2009.

Revisto por Ana Roquete

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *