O (des)encanto da poesia

   Estará a poesia, de facto, morta e enterrada? Talvez um pouco esquecida. E é urgente relembrá-la!

Imagem relacionada

Fonte: https://reportercoragem.com.br/destaque/dia-do-poeta-20-de-outubro/

Desde a sociedade pré-histórica que várias obras eram compostas em forma poética, de maneira a facilitar a sua memorização e transmissão oral. A primeira manifestação poética registada derivava de inscrições hieroglíficas egípcias, datadas do ano de 2600 a.C. Mas a verdade é que os tempos de glória da poesia já lá vão.

   A palavra poesia vem do termo latino poesis, que, por sua vez, deriva do conceito grego poiesis. Este último termo remete para o princípio pelo qual se dava o ato criador, no sentido em que, ao criar, o homem fazia o mesmo a si próprio.

   Desde a Grécia Antiga até à Sociedade Contemporânea, passando pela Idade Média e pelo Renascentismo, a poesia sofreu uma imensa (r)evolução. O género lírico pode ser dividido em três subgéneros: a poesia épica, sob a forma de narrativa que exalta os feitos do Homem; a poesia lírica, apresentada na forma de composições literárias com temas como o amor, a saudade e a morte; e a poesia dramática, que, com o passar do tempo, passou a ser representada no teatro.

   A partir da Idade Média, os sentimentos vão ganhando um lugar de destaque na arte poética, através da bem conhecida poesia trovadoresca. Já na época renascentista, com o aperfeiçoamento da escrita e o desenvolvimento de uma mentalidade crítica, a poesia era utilizada para melhor expressar os ideais das diferentes gerações, indo ao encontro dos pensamentos da época.

Resultado de imagem para o poema muda o sentido do caminho

Fonte: https://patchworkdasideias.blogspot.com/2018/01/o-poema-muda-o-sentido-do-caminho.html

Posteriormente, a poesia será também associada ao culto religioso, representando a dúvida e a incerteza face ao oculto e ao divino. Neste sentido, o uso de figuras como a metáfora, a antítese e a alegoria acentua-se, chegando até a ser exagerado.

    No fim do século XVIII dá-se a origem do Romantismo, marcado pela rutura com o pensamento clássico e pelo regresso aos modelos da Idade Média. A construção poética centra-se no Homem e vira-se, novamente, para a imaginação, o subjetivismo e os sentimentos.

“A poesia não é uma questão de sentimentos, é uma questão de linguagem. É linguagem que cria sentimentos.”

Umberto Eco

   Com as novas tendências sociais e filosóficas do fim do século XIX, nascem dois novos estilos literários: o Realismo e o Naturalismo, ambos centrados na crítica social e na análise dos problemas inerentes à realidade. O século XX é um ponto de viragem: surgem novos poetas, que aliam a evolução tecnológica à sua produção poética.

“A poesia é um modo de ler o mundo e escrever nele um outro mundo.”

Mia Couto

    Nos dias de hoje, a história já é bem diferente. Este género literário tem vindo a perder o interesse por parte dos leitores, sobretudo do público mais jovem. Para muitos, o estudo de obras de poetas como Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner, Florbela Espanca, António Gedeão e Miguel Torga – que deram um contributo enorme à poesia portuguesa -, é visto quase como uma obrigatoriedade escolar, sem qualquer utilidade.

   A narrativa é, geralmente, o género mais apreciado. A sua ação centra-se em acontecimentos, que constituem uma história – capaz de prender o leitor do início ao fim. O que acontece é que, cada vez mais, os leitores deixam-se ficar pelo lado “anedótico” da obra e não procuram refletir sobre a visão que o autor apresenta.

   Esta ausência de reflexão e de criatividade, motivada por um mundo mediático e automatizado, faz com que o leitor não se predisponha ao texto poético. A alegria das rimas, do ritmo e da musicalidade foi-se perdendo. No entanto, este não é o único motivo que explica o desencanto pela poesia.

    É urgente que a poesia acompanhe a inovação das novas gerações, se não quiser ficar para trás. A poesia no mundo atual deve ser utilizada para representar a realidade, para dar voz àqueles que não a têm, para enfrentar a tirania e a injustiça, para revolucionar. Mas também é necessário educar os leitores neste sentido. É preciso dar uma nova oportunidade à poesia!

“A poesia é, ao mesmo tempo, um esconderijo e um altifalante.”

Nadime Gordimer

Artigo revisto por Vitória Monteiro

Artigos recentes

Era uma vez

Versão em forma de tributo de uma Hollywood em transição da sua fase clássica para uma nova era mais escura. O “nono” de Tarantino não

Ler mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *