Opinião,  Secções

Preguiça

Esta crónica é escrita ao abrigo do novo acordo ortográfico

Depois de ouvir os doces comentários de um youtuber acerca de como todas as doenças mentais são “uma grande treta inventada por essa malta esquerdista”, senti-me inspirado a escrever esta crónica. Admito a tentação, mas não vou deixar aqui o link do vídeo, apenas por não querer que essa “obra-prima” receba mais visualizações. Portanto, senhor vlogger, dê-me um bocadinho da sua atenção, se faz favor.

Há uma diferença clara entre as patologias mentais e as doenças físicas – aquilo que designo por hipersubjectividade.

A experiência de um doente psiquiátrico é estritamente solitária. Sim, claro que a dor de um doente oncológico também não pode ser partilhada, mas pode ser empiricamente detetável. Mas não há análise ao sangue que detete uma depressão. Não há eletrocardiograma que diagnostique a esquizofrenia, nem uma biopsia que acuse uma doença bipolar. É isto fundamentalmente que separa as patologias mentais das doenças físicas: uma pessoa com depressão pode ser acusada de fabricar a sua doença para benefício próprio; “mais um subsidiozinho”, como dizia o ilustre José Rodrigues dos Santos. Já um doente de cancro nunca é acusado de mentir – como poderia ele? As análises e os sintomas são visíveis, inegáveis.

É aqui que reside a grande fonte do estigma associado às doenças mentais. Quantos de vós ouviram dizer que “eu também fico muito nervoso antes de fazer um teste”, ou que “era preciso é que voltasse a tropa obrigatória para esses meninos mimados”?

Os dados podem ajudar, mas apenas aos que se interessarem por eles: o suicídio é agora a terceira causa de morte em adolescentes norte-americanos, por exemplo.

Um deprimido não é um preguiçoso, nem alguém que “não quer trabalhar”. É alguém que, afligido pela sua má genética e/ou más experiências de vida, está num marasma, num labirinto sem saída. Quando estes pensamentos entram na nossa cabeça, agarram-se e criam raízes – tudo se torna inútil, niilístico. O sexo não dá prazer, o corpo dói e a morte já não assusta.

Felizmente, graças à ciência, e à sua ausência de estigmas, temos agora tratamentos eficazes para estas doenças, desde a medicação psiquiátrica à terapia psicológica. Coisas que este vosso cronista admite com orgulho que lhe devolveram qualidade de vida.

A próxima vez que ouvirem uma dessas “belas” frases e que isso vos deixe em baixo, façam o que agora vos digo: tenham pena dessa pessoa. A arrogância e a ignorância andam sempre de mãos dadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *