• Opinião

    Os empadões de Hollywood

      Gostava muito de ser ator, ou de ter a oportunidade de participar num filme, independentemente da dimensão do papel. É claro que não me importava nada de ser ator principal, desde que o enredo e a personagem me interessassem. Escusado seja dizer que também gostava de ser famoso. Gostava de ser reconhecido por alguma coisa, algo que faça bem, e não me importava que fosse por ser ator. Seremos sempre famosos aos olhos dos nossos papás e mamãs, mas nem que seja para escapar à ternurenta tormenta que essa realidade aparenta representar na cabeça de muito adolescente e jovem adulto, ambicionamos um bocado mais do que isso. Eu não…

  • 7ª Arte

    LEFFEST – China Girl: um arquétipo do amor juvenil

     “Eles são amantes secretos… apanhados no fogo cruzado” – este poderia ser um excerto de Romeu e Julieta de Shakespeare, mas trata-se da sinopse do filme China Girl, realizado por Abel Ferrara, onde dois adolescentes sentem que o seu amor é proibido. Mas como o fruto proibido é o mais apetecido, nem os confrontos entre a sua família e amigos impediram que se juntassem.  A ESCS MAGAZINE traz-te uma crítica à obra que une a tragédia de Romeu e Julieta ao romance de West Side Story.    Nova Iorque é habitualmente a cidade que funciona como cenário dos filmes de Ferrara, não tivesse ele nascido e crescido no Bronx –…

  • 7ª Arte

    LEFFEST – Literatura e Cinema: a história de uma relação ilimitada

     Quando era criança, ouvia o barulho da máquina de escrever do pai a altas horas da madrugada. Acabou por se licenciar em Literatura na Universidade de Toronto, não seguindo as pisadas do pai no jornalismo nem as da mãe na música. No entanto, após um longo percurso enquanto autodidata na área do cinema, hoje é conhecido por Baron of Blood. Eis que a ESCS MAGAZINE pôde assistir à masterclass Between Literature and Cinema: Where am I? de David Cronenberg.    “Será que quis escrever um romance por a minha carreira no cinema ter terminado? Não, apenas acho que há coisas que já não consigo expressar através dos filmes” – foi…

  • 7ª Arte

    EuroCine Parte I: O cinema francês

      Como é do nosso conhecimento, o cinema não se concentra exclusivamente em Hollywood. Apesar de vivermos subjugados a uma cultura de massas influenciada pela indústria americana, há variadas obras cinéfilas espalhadas pelos vários cantos do mundo, especialmente na Europa, aqui tão perto de nós. Estes são os propósitos da nova rúbrica da secção de Sétima Arte, o EuroCine: dar a conhecer várias produções europeias de qualidade, dinamizando a sua cultura cinematográfica, e sugerir sessões de cinema diversificadas a todos os leitores. Se, tal como eu, já estão enjoados dos padrões de consumo americanizados, então este é o artigo ideal para vocês. O primeiro destino do EuroCine é simbólico. Aterramos…

  • 7ª Arte

    Luz, câmara, ação – e se ir ao cinema fosse mais barato?

    Apesar da forma como vemos filmes ter sofrido algumas modificações nos últimos tempos, com o aparecimento de serviços de streaming, como o Netflix, para a maioria das pessoas ir ao cinema continua a ser um dos melhores programas para os tempos livres. Neste artigo, a ESCS MAGAZINE vai dar-te algumas dicas para poupares dinheiro quando decides ver um filme no grande ecrã. 1. Promoções oferecidas pelas operadoras de telecomunicações A NOS é detentora da grande maioria das salas de cinema em Portugal. Se tu ou os teus pais forem clientes NOS, com um pacote que inclua pelo menos TV+Net+Voz, podes ter acesso a um cartão especial que te permite adquirir…

  • 7ª Arte

    “Outubro quente traz o cinema no ventre” – O Box Office do mês de Outubro

    Estamos em novembro. Por isso, está na hora de analisar se outubro foi um mês lucrativo para a indústria cinematográfica. Em Portugal, as receitas não estiveram assim tão mal, mas podiam ser bem melhores. Vamos a isso: “Blade Runner 2049” era muito esperado pelos fãs já há algumas décadas, mas ao que parece essa espera pode ter sido crucial para o box office a nível mundial (220.000$). A nível nacional, o filme que estreou no inicio de outubro, não se comportou tão mal. Com pouco mais de um mês, o filme realizado por Denis Villeneuve, arrecadou mais de 700.000€ e levou mais de 120.000 espetadores portugueses ao cinema. “Kingsman: O…

  • 7ª Arte

    Amor de Improviso – Uma comédia romântica para quem está farto de comédias românticas

    Todos os anos podemos encontrar nas salas de cinema um novo filme de comédia com nuances românticas. Estes filmes são, geralmente, uma nova adaptação de um livro do Nicholas Sparks ou um filme onde durante 90 minutos duas pessoas extremamente atraentes sofrem por amor com direito a algum humor à mistura. Ainda assim, nada contra as comédias românticas – nem sempre nos apetece ver um drama carregado de sentimentos negativos que nos deixam tão deprimidos que só nos apetece comer chocolate e adormecer a chorar, por isso, este género de filmes são uma boa alternativa. Em “Amor de Improviso”, encontramos uma história de amor que escapa ao clichê a que…

  • 7ª Arte

    Rosemary’s Baby (A Semente do Diabo)

    A gravidez é muitas vezes descrita como um momento de enorme alegria e expetativa só igualada com o momento do nascimento. Mas agora imagine que essa gravidez é assombrada por vizinhos cuscos, metediços e suspeitas de bruxaria? Será que a alegria continuava a ser a mesma? Provavelmente não, e é exatamente essa situação que o filme de que falo este mês nos apresenta. Lançado em 1968, este filme de Roman Polanski é baseado no best-seller de 1967 do autor Ira Levin e relata-nos a história de um jovem casal que se muda para um apartamento com um histórico de proprietários bastante particular (vários dos anteriores donos da casa haviam morrido…

  • 7ª Arte

    Death Note – outra adaptação fracassada

    Atualmente, tem havido uma crescente aposta do cinema norte-americano na adaptação e produção de animes para a criação de novos produtos e filmes. Para os mais despercebidos, um anime é pura e simplesmente uma animação produzida por estúdios japoneses. E, por mais voltas que tentemos dar, todos nós já vimos, pelo menos, um anime nas nossas vidas. Depois da adaptação (fracassada) de Blame e de Ghost in the Shell, foi a vez da Netflix tentar alterar essa tendência, ao fazer uma adaptação daquele que provavelmente será um dos animes mais globais e populares do mundo: Death Note. A história original (do anime) retrata de história de um aluno brilhante, Yagami…

  • 7ª Arte

    Fátima: 11 mulheres caminhando no real

    João Canijo assina uma reflexão cinematográfica que roça a perfeição, jeito on the road, e que o confirma como um dos mais talentosos realizadores europeus. Como resumir “Fátima”, a mais recente obra do realizador português, da forma mais simples possível: Um grupo de 11 mulheres em peregrinação desde Trás-os-Montes até ao Santuário de Fátima, ao longo de mais de 400 quilómetros. Tinha tudo para dar errado: primeiro a complexidade de filmar 11 atrizes sob o risco de criar uma saturação visual e sonora ao espetador; depois o pegar num assunto sempre polémico – a fé. Canijo contorna tais problemas e dá-nos não aquilo que queremos ver, mas sim aquilo que…