• Opinião,  Secções

    A resposta está no nome

    Eu sei, está tudo farto de ouvir falar no novo acordo. É a língua a evoluir, não há nada a fazer, e por aí fora. Mas aqui fica um grito aos céus de quem ainda estremece quando lê “ação”. Os motivos do acordo – os oficiais, pelo menos – são uma coisa que me magoa. Cada país tem direito à sua identidade e a língua é uma das suas marcas mais importantes, mesmo se for comum a vários países: porque é diferente, no ritmo, em vocabulário, em subtilezas da grafia; em pormenores, no fundo, mas pormenores que a tornam especial, única, nossa. É por isso que, apesar de sabermos que…

  • Literatura,  Secções

    Português com futebol à mistura

    “Gente Famosa também dá pontapés na gramática” é um livro de Lauro Portugal que nos mostra diversos pontapés na língua dados por famosos, como políticos, atores, jornalistas, locutores de rádio, escritores, etc.. O autor apresenta-nos o erro, com a indicação de quem o deu – sempre ocultando o nome, embora por vezes seja fácil descobrir de quem se trata – e em que contexto, apresentando depois uma pequena explicação do porquê de a frase estar errada e alguns comentários pessoais. Lauro Portugal recorre com frequência a metáforas futebolísticas, tendo os capítulos nomes como “pontapé livre indirecto”, “cartão vermelho” e “grande penalidade”. Além disso, organiza o livro apresentando no início de…

  • Opinião

    Urbi et obras: Ponto Final

    Não há nada mais antipatriótico do que escrever ou falar mal a língua nativa. No caso da língua portuguesa, para mim, é ainda mais grave. A nossa língua é, muito provavelmente, a maior marca cultural que espalhámos pelo mundo, tendo em conta o número de falantes. Por outro lado, é das poucas coisas que ainda mantemos (embora com alterações) dos tempos mais gloriosos da pátria. Qualquer pessoa pode dar um erro. É, também, perfeitamente normal que pessoas sem formação dêem alguns erros. Estranho é ver pessoas dar erros e ficarem ofendidas quando são corrigidas. Normalmente, dizem coisas como “Percebeste, não percebeste? Então, pronto”. Não é uma questão de se perceber…