• Opinião,  Secções

    A política (ainda) não é digital

    A relação dos políticos portugueses com os social media ainda se encontra em período de gestação. A política teima em subestimar o potencial das redes sociais, quando já se percebeu que os benefícios deste casamento são inegáveis. O fenómeno justifica-se, por um lado, pelo conservadorismo da classe política, assente em puritanismos, e, por outro, pelo medo de ouvir a voz do cidadão. Na verdade, poucos são aqueles que arriscam abrir portas aos social media. Quem dá esse passo, acaba por não conseguir levar avante a missão, porque, pura e simplesmente, não há uma estratégia de comunicação focada nas especificidades das redes sociais. Na era do Facebook e afins, seria expectável…

  • Opinião

    Gerir redes sociais

    Gestor de redes sociais e Gestor de social media, em português, ou Community manager e Social media manager, em inglês (e porque soa melhor ao ouvido), são expressões em voga no que se refere ao recrutamento na área das redes sociais. Se ainda há sectores em que a perspectiva de empregabilidade existe ao fundo do túnel, este é um deles. Na prática, os termos atrás mencionados referem-se a um mesmo perfil: o profissional que detém os conhecimentos e as skills (podia escrever competências?; podia, mas não era a mesma coisa; alguém decidiu que, nesta área, é trendy utilizar estrangeirismos) para desempenhar a função de gestão de redes sociais. A tarefa…

  • Opinião

    Da liberdade de opinar

    Opinar, no seio da sociedade actual, é um pau de dois bicos. Se, por um lado, o advento tecnológico abriu as portas a uma democratização generalizada no acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) – sendo as plataformas de social media o ex-líbris de uma qualquer praça pública –, por outro, observa-se um asfixiamento do pluralismo das ideias e das opiniões – quando, paradoxalmente, nunca existiram tantos fóruns de discussão públicos. Somos, pois, cidadãos de uma sociedade monocromática, na qual resta pouquíssimo espaço para as zonas cinzentas (o terreno fértil para o alimento da dúvida, que, por sua vez, gera a reflexão): ou é preto ou é branco, ou,…

  • Opinião

    Etiqueta nos social media

    Imagine-se o seguinte cenário: é hora de almoço de um rotineiro dia de trabalho. Queremos almoçar e, por isso, escolhemos um restaurante. Queremos boa comida a um bom preço e, preferencialmente, um serviço rápido porque, no fim da refeição, não abdicamos de uma bica e de dois dedos de conversa antes de retomarmos a jornada laboral. Mas e se, ao chegarmos ao restaurante, nos sentássemos à mesa e o empregado nos ignorasse, mesmo quando lhe fizéssemos sinal? Obviamente, reclamaríamos do mau serviço prestado. E se continuássemos a ser ignorados levantar-nos-íamos e sairíamos porta fora. Em último caso, nunca mais lá voltaríamos nem recomendaríamos o restaurantezeco aos nossos amigos.   Agora,…