Grande Entrevista e Reportagem

Uma escola dentro de uma escola

No cimo de um monte, à vista de todos, ergue-se atrevidamente um edifício vermelho e branco, com a forma de um barco. É a morada dos escsianos. Com seis andares e degraus a perder de vista, corredores longos pontilhados por janelas redondas. De portas abertas para te receber. Trinta anos após a sua inauguração, a ESCS dá as boas-vindas aos novos alunos.
O primeiro passo, e talvez o mais difícil, já foi superado: entraste na ESCS. E agora? O que vem depois? Chegou o momento de ficares a conhecer verdadeiramente esta instituição. Não é só de aulas que vive esta escola. Não é só nas aulas que os alunos aprendem. Nos núcleos e atividades extracurriculares da ESCS encontras uma escola dentro de uma escola. São um espaço para errar e para aprender. Aqui podes colocar um pezinho, ou até dois, no mercado de trabalho. Independentemente do curso que frequentas, encontras um leque de opções por onde escolher. Não acreditas em mim? Fica com os testemunhos dos escsianos que por lá andam.

Número F

Clara Coimbra, Número F

Para Clara, o bichinho pela fotografia esteve sempre lá. Ao descobrir o Número F, não houve espaço para hesitações. Um núcleo para pôr em prática o que gosta de fazer e para conhecer pessoas com os mesmos interesses. Relembra o primeiro passeio fotográfico em que participou. À sua volta, os membros do núcleo, de câmara na mão, fotografavam com confiança. Pareciam saber o que faziam. “Um dia, vou ser assim”, pensou. Na verdade, ninguém sabia muito bem o que estava a fazer. Queriam apenas divertir-se. Afinal, era como eles. Pertencia àquele grupo. 

Se és amante de fotografia ou queres experimentar, o Número F é o lugar certo para ti. Aqui podes fotografar, editar, fazer cobertura de eventos, design ou gestão de redes sociais. Não sabes mexer numa câmara? Não há problema, é a oportunidade para aprender. “No Número F, passei a ver o mundo com outros olhos, a vê-lo de uma perspetiva de que não estava à espera”, conta Clara. Encontrou no núcleo a possibilidade de aprender a nível técnico e de desenvolver a sua criatividade. 

ESCS Magazine

Mariana Coelho, ESCS Magazine

A escrita não estava nos planos da Mariana. Integrar a revista da ESCS veio revelar uma paixão pela imprensa que não sabia existir. Dois anos depois, é Diretora-Geral da ESCS Magazine e já passou por quase todas as secções.

Nesta revista, encontras um espaço para escrever sobre tudo um pouco: Música, Literatura, Desporto, Moda e Opinião são algumas das opções. Se é pela área da Informação que tens mais interesse, também há espaço para isso. E porque uma revista não é constituída somente por redatores, a ESCS Magazine conta com os departamentos de Comunicação, Correção Linguística, Multimédia e Recursos Humanos.

Para Mariana, a Magazine é “um espaço de total liberdade”, uma oportunidade para criar portfólio e fazer algo do qual se pode orgulhar. Os desafios, na sua opinião, passam pela constante necessidade de superação – tentar inovar. Na ESCS Magazine, encontras um espaço de aprendizagem e de evolução, independentemente do curso a que pertences. 

8ª Colina

Ana Narcisso, 8ª Colina

Era semana de matrículas na ESCS e, como tal, os vários núcleos e projetos do universo escsiano marcavam presença, atraindo os novos alunos para as suas bancas. Como muitos dos caloiros, Ana percorreu cada uma delas, mas foi a do 8ª Colina que a conquistou. Em outubro já fazia parte da equipa.

No 8ª Colina, jornal online acreditado pela Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), Ana encontrou a liberdade para escrever sobre tudo. O mote é contar as histórias que não são contadas. “Falamos com pessoas com quem ninguém falou, exploramos o outro lado, procuramos o que ainda não foi dito”, explica. Um projeto para os que têm “genica”, descreve, onde precisam de pessoas que se mexam.
Com os departamentos de Redação, Comunicação, Correção Linguística e Audiovisual e Multimédia, o 8ª Colina não se destina apenas aos alunos de Jornalismo. “Aqui, tu é que escolhes o teu caminho”, garante Ana.

E2

Mariana Gonçalves, E2

Todas as segundas-feiras o programa tem de estar pronto. São 25 minutos que têm de estar preparados para passar às 15h30 na RTP2. Para Mariana, chefe de redação do E2, isso implica ficar na faculdade até tarde e, por vezes, passar pela ESCS ao sábado. No entanto, compensa. É a oportunidade de colocar um pezinho no mercado de trabalho e de ter a experiência de fazer um programa de televisão. 

É no piso -1 da ESCS que os membros do E2 ocupam residência. Seja a preparar guiões de entrevista, de volta de alguma câmara ou tripé, a verificar microfones ou a editar alguma reportagem. 

Para Mariana, o comprometimento é chave. “Se não fores tu a fazer o teu trabalho e se não te comprometeres a fazer até à data marcada, ninguém o vai fazer por ti”, explica. “Ter esse compromisso é importante”.

Se tens interesse pela área da televisão, o E2 pode ser o lugar certo para ti. Atualmente, soma 17 temporadas e mais de 400 programas emitidos. Engloba uma equipa de Redação, Captação, Comunicação e Produção e conta com várias rubricas que podes experimentar.

ESCS FM

Raquel Aguiar, ESCS FM

A experiência de falar ao microfone e o bom ambiente da ESCS FM foram o suficiente para convencer Raquel a juntar-se à rádio. A partir daí, foi experimentar as várias opções que tinha para oferecer. Entre o departamento de programas – que inclui música, crónicas e animação – e o de informação – com espaço de debate, atualidade e reportagem – há muito por onde escolher. E porque a rádio não se faz só ao microfone, inclui ainda os departamentos de design, de audiovisual e de redes sociais. 

Como núcleo universitário que é, a ESCS FM pauta-se pela abertura que as pessoas têm para errar, aprender e para ser criativos”, conta Raquel. É um espaço onde cabem ideias fora da caixa. Para Raquel, esta é a altura de as experimentar, ver o que funciona e o que não funciona. Pertencer ao curso de Publicidade e Marketing não foi um impedimento, mas antes uma forma de aprender sobre outras áreas que não fazem parte da sua licenciatura.

Na ESCS FM, o lema é “uma escola dentro de uma escola”, feita por e para alunos. Aqui encontras a oportunidade para conhecer e contactar com o universo da rádio. 

nAV

Érica Neto, nAV

Sabes como formatar um cartão de memória ou ajustar os níveis de um microfone? Já ouviste falar em balanço de brancos ou na regra dos 180°? Queres aprender? O nAV ensina-te. No Núcleo de Multimédia e Audiovisual da ESCS, ficas a conhecer o universo por detrás das câmaras. 

Foi para colocar em prática o que aprendeu no curso que Érica se juntou ao nAV. Aí encontrou um “clube de amigos”, um núcleo de alunos para alunos, caracterizado pelo lado informal. “No nAV, colocamos em prática. Temos algo nosso, damos um pouco de nós”, explica.

No núcleo, dedicam-se à cobertura de eventos, realização de workshops e visitas de estudo. Recentemente, começaram a apostar também no desenvolvimento de projetos próprios, como o “Melhor que nada”. No nAV, tens a possibilidade de te dedicar às áreas de produção, de comunicação, de captação e de edição. Independentemente do curso em que estás, podes juntar-te à equipa. Qualquer aluno é bem-vindo.

Bright Lisbon Agency

Beatriz Costa, Bright Lisbon Agency

Beatriz estava na Bright Lisbon Agency (BLA) há quatro ou cinco meses quando foi escolhida para apresentar um evento. Era o seu primeiro ano de faculdade, no curso de Publicidade e Marketing. O momento foi de alguma pressão ao ter de representar a júnior empresa da ESCS, mas foi um marco importante que a fez ver que podia crescer na BLA.  

A Bright Lisbon Agency é a primeira júnior empresa em Portugal especializada na área da comunicação. Divide-se nos departamentos de design e imagem, de comunicação estratégica, de new business e de recursos humanos. Presta serviços a clientes reais na área do planeamento estratégico e na criação e gestão de conteúdo multimédia.

Na BLA, temos espírito empreendedor de chegar mais além. É uma porta aberta para os alunos aprenderem mais sobre si e para desenvolverem as suas soft e hard skills”, garante Beatriz. O que é preciso? Resiliência e aprender a lidar com a pressão de gerir os projetos. Na BLA, tens a oportunidade de contactar com o mercado de trabalho e de ter a experiência de pertencer a uma júnior empresa. 

PRLAB

Beatriz Couto e Ana Sofia Jesus, PRLab

Para os amantes das relações públicas o PRLab pode ser a escolha certa. Neste projeto extracurricular consegues explorar duas vertentes: a comunicação com o cliente – ter a oportunidade de trabalhar com projetos de clientes reais – e a organização de eventos na área das relações públicas e comunicação empresarial.

Para Ana Sofia, juntar-se ao PRLab foi uma forma de pôr em prática a teoria que aprendeu nas aulas, de transpor do papel para o mundo real. “O projeto dá-nos com motivação e orgulho. Com esta experiência, sinto que é como se estivesse um passo à frente na comunicação”, afirma.

Neste momento, um dos projetos a decorrer é o Sintra Cresce Saudável, uma iniciativa da Câmara Municipal de Sintra com o objetivo de fomentar escolhas de alimentação saudável, práticas de exercício físico e de sustentabilidade junto dos alunos do ensino básico. Já passaram três anos desde o início do projeto. Inicialmente, juntava apenas um agrupamento escolar e 27 professores. De momento, envolve cinco agrupamentos escolares, seis escolas, cerca de 194 professores e 2918 crianças.

GAME

Sofia Pereire, GAME

Não estava nos planos de Sofia fazer parte de um núcleo. Contudo, para uma aluna de Relações Públicas que quer trabalhar na organização de eventos, pertencer ao GAME parecia inevitável. Encontrou no Grupo de Alunos de Marketing da ESCS a possibilidade de, enquanto ainda estuda, conhecer os profissionais da área e estabelecer contactos. No GAME, é essa a aposta: a aproximação dos alunos ao mercado de trabalho.

Anualmente organizam o What’s Next, um convívio informal com profissionais da área, onde podes colocar dúvidas sobre o mercado de trabalho. O GAME prepara ainda as Olimpíadas, a maior competição entre faculdades de marketing. Organização de eventos, workshops e visitas de estudo a empresas são algumas das ofertas que podes esperar por parte do GAME.

Associação de Estudantes

Madalena Jesus, Associação de Estudantes

Vinda do Alentejo, Madalena encontrou na Associação de Estudantes a oportunidade para se integrar no meio académico.

Com uma equipa de cerca de 50 colaboradores, a AE ESCS tem como missão representar os escsianos. O lema é proporcionar. “Deixamos de usufruir para estar à frente da preparação”, diz Madalena. No entanto, a seu ver, “é a oportunidade de participar na construção dos melhores anos da nossa vida!” A dedicação e o esforço colocado nos projetos tornam-se gratificantes ao ver o resultado: a satisfação dos escsianos

Com um universo de quase 1500 alunos, todos eles tão diferentes, representá-los não é tarefa fácil. Nos três anos em que esteve na Associação, Madalena aprendeu a aceitar a diferença, a ver o lado do outro. 

Na Associação de Estudantes, podes participar na organização da bênção das fitas, de arraiais, de eventos desportivos e muito mais. Este ano, traz novas surpresas. 

ESCS Mais Limpa

Marta Rodriguez, ESCS Mais Limpa

Já reparaste nos pontos de reciclagem espalhados pela ESCS? Ou que os copos nas máquinas de café são de cartão e não de plástico? Já deste conta de que as torneiras das casas de banho têm temporizador? São todas mudanças recentes, implementadas sob a intervenção da ESCS Mais Limpa.

O núcleo surgiu no ano passado pelas mãos de seis alunas. O objetivo é consciencializar a comunidade escsiana para que esta tenha comportamentos mais amigos do ambiente. “O nosso planeta está numa altura crítica. Está na hora de pensar mais sobre o assunto. Como escola de Comunicação Social, devemos dar o exemplo”, afirma Marta, uma das fundadoras do projeto. Com a existência do núcleo, espera-se que haja uma adesão crescente e que a ESCS se torne um agente de mudança.


O núcleo conta com cinco departamentos: criativo, comunicação e redes, eventos, design e recursos humanos. Dão dicas, produzem conteúdos e promovem comportamentos e hábitos sustentáveis. Já implementaram várias mudanças na ESCS, mas ainda há mais a caminho.

Pancadas do Infinito

Laura Jesus, Pancadas do Infinito

Começou com um sonho de uma noite de inverno. Uma conversa casual entre amigas durante as festividades da passagem do ano. Então, fez-se luz. Numa escola de comunicação, com tantos núcleos e atividades extracurriculares, faltava qualquer coisa. Faltava um núcleo de teatro.


Para Laura, uma das fundadoras do projeto, o Pancadas do Infinito tornou-se um escape. Vinda do Algarve, esta apaixonada pelo teatro encontrou no núcleo uma nova casa, uma sensação de tranquilidade. Aconselha a experiência aos mais desinibidos, mas também aos mais tímidos. “No início, juntaram-se ao núcleo pessoas que não conseguiam estar perante um público, dizer mais do que uma ou duas palavras, e acabaram o ano a conseguir atuar perante um auditório cheio”.

O Pancadas do Infinito completa dois anos de vida a 27 de março, no Dia Mundial do Teatro. Neste núcleo, que junta alunos e ex-alunos, a criatividade e o drama são infinitos. Há vários departamentos por onde escolher: artístico, representação, encenação/dramaturgia, comunicação estratégica, conteúdos gráficos, eventos e recursos humanos.
A pandemia de COVID-19 veio obrigar a algumas mudanças, mas o espetáculo não para. Assim, o Pancados do Infinito regressa este ano num  novo formato: do palco passa para os ecrãs. 

Escstunis

Tahir Ali, Escstunis

Às terças e quintas, o auditório da ESCS enche-se de alunos e de música. O som de guitarras e de bandolins, de clarinetes e de saxofones preenche o silêncio. Bandeiras e pandeiretas cortam pelo ar. Erguem-se as vozes dos tunantes. 

No âmbito do espírito académico, não podia faltar a escstunis. Desde 1994 trajados a rigor, de capa ao ombro, a trazer música aos escsianos. Movido pelo companheirismo que presenciou nas atuações, Tahir decidiu juntar-se a ela. Não era muito ligado à música e também não tocava nenhum instrumento. Queria experimentar algo novo e isso bastou para entrar para a tuna. Após três anos, soma momentos engraçados, memórias e muitas histórias, em cima e fora do palco. 

A escstunis faz atuações de rua, participa em festivais e, anualmente, prepara o seu próprio: o Tuna M’isto, que conta com a participação de tunas de todo o país. Se a música é a tua paixão, se até te desenrascas a tocar umas notas na guitarra ou se queres simplesmente experimentar algo novo, a tuna é o lugar para ti. Sabes como encontrá-los. Basta seguir a música. 

Escrito por Adriana Alves

Artigo revisto por Rita Asseiceiro

Fonte da foto de capa: Erasmusu.com

Este artigo faz parte da edição digital de novembro de 2020 – Manual de Sobrevivência

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *