• 7ª Arte

    Black Panther – o segredo para o sucesso é a perfeição

    Poucos são aqueles que ainda não ouviram falar no mais recente filme da Marvel Studios, Black Panther. Desta vez, isso é um bom sinal para o franchise. Black Panther, realizado por Ryan Coogler, é o 18.º filme dos estúdios Marvel, uma obra cinematográfica que sai dez anos depois do lançamento do filme que deu origem a todo o universo Marvel: Iron Man. Por muitos recordes que tenham sido já batidos por filmes anteriores, como é o caso do primeiro filme dos Vingadores, que é neste momento o quinto filme com maior lucro de bilheteira de sempre, Black Panther é não só um dos mais esperados filmes dos últimos tempos como…

  • 7ª Arte

    A Autópsia de Jane Doe: quando os mortos são piores que os vivos

    Às nove e trinta e cinco da noite, estamos sentados num banco de cinema a ver um grupo de polícias a encontrar aquilo que parece ser um homicídio múltiplo. Uma casa de dois andares está coberta em sangue e com corpos daquilo que parece ser uma família espalhados pelas várias divisões. Na cave, é encontrado o corpo de uma jovem, nada ensanguentado nem mutilado como todos os outros, enterrado na terra. Uma polícia aproxima-se do chefe e diz “não há sinais de entrada forçada. Parece que a família é que estava desesperada por sair.” Este é o mote inicial para “A Autópsia de Jane Doe”, cuja antestreia foi no passado…

  • Opinião,  Secções

    Tutorial nada tendencioso para seres um homem INCRÍVEL!

    Esta crónica encontra-se no seguimento da crónica “Tutorial extremamente tendencioso para seres uma mulher INCRÍVEL!”. A leitura da mesma é recomendada para completa compreensão do assunto tratado. Quando um homem dá conselhos a uma mulher sobre como ela se deve comportar, é tendencioso. Desculpem lá, rapaziada, se pensavam o contrário – mas é tendencioso. No entanto, as mulheres devem sempre dar conselhos aos homens sobre como eles se devem comportar. Isso não é nada tendencioso. Aliás, as mulheres devem dar esses conselhos e depois esfregá-los na cara dos homens como se a sua verdade fosse a única e a mais bela. Por isso aqui estou eu, de coração aberto, pronta…

  • Opinião,  Secções

    A Carris não é um bordel

    Não gosto particularmente de andar de transportes públicos. O metro deixa-me claustrofóbica e os autocarros da Carris cheiram-me sempre a uma mistura de suor com caixote do lixo. Infelizmente, tenho de os utilizar para me deslocar todos os dias para a escola. Em especial, os autocarros. E não era já suficiente o facto de cheirarem mal, mas têm também o problema de nunca chegarem a horas. Para piorar ainda mais a situação, que já está no cúmulo do mau, as pessoas que utilizam estes autocarros são do pior que há. Já nem falo dos carteiristas que gostam de viajar nestes autocarros ou das senhoras cujas vozes se aproximam muito da…

  • Opinião,  Secções

    E se o Homem de Ferro fosse uma mulher?

    Vaguear pelos corredores de banda desenhada nas livrarias é, para mim, uma das melhores experiências da vida. Gosto de comprar aqueles livrinhos, sejam da Marvel, DC, Dark Horse ou Devil’s Due Entertainment. Gosto de entrar nas livrarias com as minhas camisolas do Iron Man. Mas não gosto de algumas pessoas que encontro nesses corredores. Não gosto das conversas que temos. Uma vez fui abordada por um rapaz (se conta para alguma coisa, parecia ter uns 20 anos) que se sentia muito ofendido por eu estar na secção da banda desenhada quando claramente eu só conhecia o Iron Man por causa dos filmes da Marvel. Pobrezinho, lá tive de lhe explicar…

  • Opinião,  Secções

    O Lobo Mau e o jovem adolescente

    Tenho alguma dificuldade em assistir a documentários feitos sobre o vício da internet. Alguns familiares dizem-me que isso se deve ao facto de eu mesma ter esse vício (não sei do que falam, só passo cerca de 26 horas por dia em frente ao computador), mas sei que, na verdade, o problema não é esse. O problema está um pouco mais distante de mim e mais perto dos jornalistas que fazem estes documentários. Aqui há dias ouvi um senhor, cujo filho era dependente da internet, a dizer que, na televisão, “é tudo muito bonito”, mas que as coisas se passam de forma diferente na realidade. Ironicamente, o documentário onde esse…

  • Opinião,  Secções

    Um humorista, um parvo e uma loira entram num bar…

    É difícil fazer humor no mundo em que vivemos. Toda a gente sabe isto, de uma forma ou outra; quase todos nós já tentámos fazer uma piada sobre qualquer coisa e acabámos por ser julgados em praça pública como se se tratasse de um homicídio qualificado. Aprendi da forma dolorosa que nem todas as pessoas gostam de piadas sobre bebés mortos – perdi três seguidores no Tumblr. Não conseguem imaginar o estado de tristeza em que fiquei (spoiler: abri nova página e escrevi uma piada sexista. Perdi dez seguidores. Ri-me desalmadamente e depois parei, só para a minha família não pensar que sou louca.). No mundo ‘real’, as pessoas são…

  • Opinião,  Secções

    Políticos de bancada

    Quando eu era mais pequena, a minha mãe costumava falar muito sobre treinadores de bancada. (Agora já não fala tanto porque a única equipa de que gosto verdadeiramente é o Barcelona e ela não acompanha equipa nenhuma que não seja o Benfica. Conflito de interesses. Adiante.) Não sei se alguma vez entendi verdadeiramente o conceito até começar a prestar atenção à política. Claro, agora podiam perguntar-me o que é que o futebol tem a ver com a política e eu podia responder “não tem absolutamente nada a ver mas eu precisava de um assunto para a crónica” que tudo continuaria a fazer sentido. Porque a verdade é que, hoje em…

  • Opinião,  Secções

    Sei lá o que é o feminismo

    Outro dia disseram-me (na internet) que eu não era uma verdadeira feminista. Fiquei tão chocada quanto ofendida porque, em primeiro lugar, sou das pessoas mais feministas que conheço e, em segundo lugar, não conhecia a pessoa de lado nenhum. Mas ela (repita-se, ela, rapariga) parecia conhecer-me muito bem. O contexto da conversa não tem qualquer importância; sei que a certa altura devo ter dito algo como “adoro camisolas de gola alta”. Nem sequer é verdade – mas não interessa. Interessa que a rapariga levou isso a peito e resolveu explicar-me porque é que eu, feminista, não o podia ser se gostasse de camisolas que tapam o pescoço. A explicação foi…