• Artes Visuais e Performativas

    “A juventude também escreve… e bem”

    Nascido em Lisboa, no ano de 1995, João Gomes emigrou para a Suíça aos 11 anos, tendo regressado à nação que o vira nascer apenas três anos depois. Passando por um período de reajustamento à língua materna após a aventura francófona, este descobriu gostar de escrever. Reúne no papel desde esse momento uma imensidão de ideias, acabando por publicar a sua primeira obra no passado mês de fevereiro, “O Cinzento Renascimento de Gonçalo Jaime”. Estive à conversa com ele na residência do mesmo, na região do Ribatejo. “Os escritores são sempre considerados criativos, mas o bacano que criou a roda é que é. Já agora, espero do fundo do meu…

  • Atualidade,  Informação

    Morreu Umberto Eco

    O autor fundou o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino. Fonte: zona3.mx O escritor e filósofo era um dos mais conhecidos intelectuais europeus da sua geração. “Eco foi revolucionário ao dizer que, apesar de haver um código por detrás de uma obra, existe nela a possibilidade de inúmeras leituras”: foram estas as palavras de Moisés de Lemos Martins, professor de Semiótica, na Universidade do Minho, após ter sido anunciada a morte do escritor italiano Umberto Eco. O autor de livros como “O Nome da Rosa” e “O Pêndulo de Foucault” faleceu na noite de sexta-feira, na sua casa, em Milão. As causas da sua morte ainda não foram…

  • Literatura,  Secções

    Desenhador de Palavras: Dinis Machado

    Fumava muito. Fumava tanto que morreu de cancro do pulmão. Estávamos no ano de 2008. Dinis Machado nasceu a 21 de março de 1930. Cresceu e viveu no Bairro Alto até casar, em 1963. Frequentou o Curso Geral do Comércio, mas nunca o terminou. Depois trabalhou na Federação das Caixas de Previdência, onde conheceu Eugénio de Andrade, que se tornaria seu amigo e que seria uma grande influência nos seus hábitos de leitura. Antes de ser escritor, era jornalista. Trabalhou durante 20 anos como jornalista desportivo em várias publicações: no Record, no Norte Desportivo, no Diário Ilustrado e no Diário de Lisboa. Entre 1968 e 1979 foi, ainda, chefe de…

  • Literatura,  Secções

    Desenhador de Palavras – George Orwell

    Eric Arthur Blair é o nome verdadeiro de um dos melhores escritores que já pisaram este mundo: George Orwell, autor de obras como “1984” e “A Quinta dos Animais” (estes dois livros, juntos, venderam mais do que os dois melhores de qualquer outro escritor do século XX). Nasceu a 25 de junho de 1903, na Índia Britânica. Descendia de uma linhagem distinta: o seu bisavô era rico e dono de uma fazenda de escravos na Jamaica, e o seu avô era clérigo da Igreja Anglicana. Não chegou, no entanto, a herdar a fortuna dos seus antecessores. O seu pai trabalhava na Índia, para o governo britânico, pelo que durante alguns…

  • Literatura,  Secções

    Desenhador de Palavras – Franz Kafka

    Franz Kafka, escritor conhecido pela sua escrita labiríntica e complexa, nasceu no terceiro dia de Julho em 1883, em Praga, no berço de uma família judaica, filho de Hermann e Julie Kafka. Era o mais velho de seis irmãos, três rapazes e três raparigas; os rapazes, Georg e Heinrich, morreram ainda crianças, e as irmãs morreram todas na Segunda Guerra Mundial. A relação de Franz com o pai era complicada, descrevendo-o como eloquente, dominante e resistente. Kafka não se identificava muito como judeu; só visitava a sinagoga quatro feriados por ano, com o pai, e na adolescência declarou-se ateu. Dizia não ter nada em comum com os judeus, já que…

  • Literatura

    10 Dicas para futuros escritores

    Um pequeno disclaimer: ter dois livros publicados não faz de mim escritora, mas dá-me mais experiência para poder falar sobre o assunto. Estas dicas são apenas isso — dicas — e cada um é livre de concordar ou não com elas.     Ler, ler, ler — é fundamental para quem quer escrever, seja o que for, ler. E ler muito. Livros, contos, artigos… coisas boas e coisas más. Mas ler. Aprendem novas palavras, conhecem outras formas de escrever e ficam um bocadinho mais cultos. Querem mais motivos? Aperfeiçoar a escrita — escrever correctamente e criar um “estilo de escrita”, ou seja, uma forma de escrever que as pessoas reconheçam…

  • Informação

    Herberto Hélder. No fim ficam as palavras

    Diz-se que, por cada poeta que morre, devia nascer um avião cheio de pessoas com novas ideias para mudar o mundo. No dia em que o país tomou conhecimento da morte do “poeta misterioso”, caiu um Airbus nos Alpes Franceses. O mundo ficou com os olhos postos nos destroços do 4U-9525, o país ficou com as palavras do escritor que recusava prémios e não dava entrevistas. Herberto deixou a tinta a frase que descrevia a sua relação com a morte: “Só morremos de nós mesmos”. A morte sempre foi assunto para o poeta, que nasceu no começo dos anos 30 do século passado e que na segunda-feira viu pela última…