Capital,  Secções

A Fábrica dos Sabores

[cycloneslider id=”a-fabrica-dos-sabores”]

Hoje fugimos diretamente para a Fábrica dos Sabores. Localizada a menos de cem metros do Arco do Cego, mais precisamente na Avenida Defensores de Chaves, nasceu nos inícios de 2014 e tornou-se num ponto de encontro constante. E não é de admirar: dona de um espaço enorme e com uma decoração jovem e apetecível, ainda consegue encantar com uma iluminação natural magnífica por ter duas das suas paredes todas envidraçadas.

A Fábrica não tem segredos no fabrico dos seus produtos e não só afirma que todas as suas farinhas são biológicas e sem aditivos como ainda nos permite ter contacto com a cozinha através de uma janela no espaço principal.

Detém toda uma vasta variedade: de pão a brioches de batata-doce, scones, pizzas, pastas, bruschettas e tapas, consegue adaptar-se a quem procura tanto uma simples cafeteria ou pastelaria como a quem procura uma pizzeria ou padaria artesanal.

O ponto menos positivo é o atendimento. Talvez devido à dimensão do espaço e sobrelotação do mesmo nos fins-de-semana, o atendimento acaba por ser lento e desorganizado. No entanto, o facto de ser bastante concorrido só reforça a qualidade do que é servido e se a visita for num daqueles dias sem horários, a espera compensará.

Durante a semana é o sítio ideal para fazer alguns trabalhos enquanto se desfruta de waffles com chocolate e morangos ou de opções mais biológicas, como sumos naturais, batidos e iogurtes. A Fábrica dos Sabores consegue ser mais uma ótima opção que os membros da comunidade universitária devem juntar ao leque de locais a visitar.

Horário: todos os dias das 08:00 às 21:00

Avatar

Estudante na Escola Superior de Comunicação Social, optou pela vertente Audiovisual e Multimédia. Porque comunicar não se rege apenas de meios, mas sim de paixões e sem querer colocar a escrita de lado, fundou "The Brunette Lingerie", um blog de convicção íntima e um pouco de senso (às vezes). Hoje, faz da escrita um desafio diário, mas acima disso fá-lo porque gosta e porque a vontade de se expressar não se esgota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *