• Literatura

    Sete monstros literários catapultados para a Sétima Arte

    Já dizia o provérbio popular: “não julgues um livro pelo seu filme” (é assim que se diz, certo?). Ao ler as linhas de uma narrativa, é impossível que o leitor não imagine e personifique, na sua mente, cada uma das suas personagens. Adaptar uma obra literária para o grande ecrã não é, por isso, tarefa fácil, perante a exigência dos fãs que aguardam que a versão cinematográfica seja o mais fidedigna possível. É, igualmente, uma tarefa ingrata para os cineastas, já que cada um dos leitores “dá vida” de forma diferente a cada um dos intervenientes na história. Já dizia outro provérbio popular: “não se pode agradar a gregos e…

  • Capital

    Indo eu, indo eu, a caminho do museu (virtual)

    A pandemia da Covid-19 entrou, de rompante, na vida de todos nós, sem bater à porta ou tocar à campainha. Nunca as plataformas digitais foram tão utilizadas como durante este período, quer seja para reuniões de trabalhos, quer seja para aulas ou até lazer.  A possibilidade de visitar um museu de forma virtual (e gratuita) não é uma coisa nova, mas voltou em força durante a pandemia. Poderá ser um incentivo a uma visita posterior, in loco. Lembra-te: embora esta seja uma alternativa à visita presencial, não procura, de modo algum, ser a sua substituta – os equipamentos culturais encontram-se abertos e a cumprir as regras de segurança sanitárias.  Seja…

  • Literatura

    Galileu & Déjà Lu, contadoras de histórias em Cascais

    Uma boa livraria é a Olimpo da Literatura – um espaço de refúgio e de imersão. É onde o leitor se perde e, ao mesmo tempo, se encontra. Na Vila de Cascais – que já foi, pelo menos uma vez, musa na vida e na obra de escritores como Almeida Garrett, Fernando Pessoa, Maria Amália Vaz de Carvalho, Eça de Queirós e Ruben A. – existem duas livrarias independentes que esperam por uma visita; ou duas ou três. Fomos conhecê-las.  A Avenida Valbom é uma das passagens mais importantes de Cascais, a uma distância de vinte minutos de transportes de Lisboa. É lá que encontramos a livraria Galileu, que assim…

  • Literatura

    Pedro Rodrigues: “Não há Internet que valha à Literatura, porque o livro vai continuar a ser o livro”

    Quando foi informado sobre o seu direito ao off the record, recusou-o, de forma imediata: “não gosto dessa ideia de esconder e de falar nos bastidores. As pessoas são como são”. Tratou-me imediatamente por “tu” e pôs-me à vontade para tratá-lo assim também. É uma das maiores promessas da última geração de escritores portugueses. Pedro Rodrigues, nascido a 1 de março de 1987, é oriundo da Cova-Gala, no concelho da Figueira da Foz. Acabou de lançar, este mês de novembro, o seu novo livro Alice do Lado Errado do Espelho, escrito em pleno confinamento. Numa entrevista sobre tudo e sobre nada, falou-se sobre arte, direitos de autor, estupidez alheia, redes…

  • Literatura

    Descobrir e desvendar António Lobo Antunes

    Há largos meses, procurei entrevistar António Lobo Antunes (ALA). O primeiro contacto telefónico que fiz com o grupo editorial que representa o escritor não foi bem sucedido. ALA não se encontrava disponível naquele momento para dar qualquer entrevista, disseram-me, sem mais justificações. A resposta foi curta e grossa, o tom inflexível. Não desisti. Voltei a insistir. Arranjei novos contactos dentro do mesmo grupo e tentei, de novo, chegar até ele. Desta vez, a resposta foi bem mais simpática, mas acabou por ser a mesma: ALA encontrava-se, efetivamente, indisponível. Continuei sem conseguir a entrevista. A oportunidade para entrevistar Lobo Antunes não voltou (ainda) a surgir. No entanto, hoje até consigo encontrar…