• Opinião

    Estrala a bomba e o míssil vai no ar!

    Numa altura em que os ataques terroristas assombram a existência da humanidade, eis que surge a Coreia do Norte, um dos países mais “fechados” do mundo e o atual bicampeão na prova de lançamento do míssil. Apesar de a situação se ter agravado imenso nos últimos dois anos, não nos podemos esquecer de que este país começou a testar armamento nuclear em 1993, quando, a nível global, ainda estavam a ser introduzidas muitas das tecnologias que hoje usamos diariamente. Para além disso, até 2006 não foram realizados mais testes nucleares, o que seria uma ótima notícia se este não fosse um país isolado: por mais espiões que existam e por…

  • Atualidade

    Coreia do Norte lança um míssil por semana

    Nas últimas três semanas, a Coreia do Norte lançou três misseis balísticos. Os testes colocam em risco múltiplos aliados dos Estados Unidos da América na região e contrariam tratados internacionais. O mais recente míssil caiu na zona económica marítima do Japão, entre as ilhas de Sado e Oki. A reação internacional foi imediata. “Tal como definimos na recente cimeira do G7, o problema da Coreia do Norte é uma prioridade para a comunidade internacional. Vamos tomar algumas medidas juntamente com os Estados Unidos”, afirmou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. O vizinho imediato do país, a Coreia do Sul, rapidamente considerou o lançamento  “uma clara violação das resoluções do Conselho de…

  • Atualidade

    Obama afirma que Guterres já provou ser um líder eficaz

    António Guterres, antigo primeiro-ministro português e Ex-Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, reuniu-se no dia 2 de dezembro com o ainda presidente dos EUA, Barack Obama. Barack Obama convidou o futuro Secretário-Geral das Nações Unidas para uma reunião na Casa Branca. Em tal evento, Obama elogiou António Guterres por já ter provado ser um líder eficaz, uma vez que considera importante tal qualidade num mundo onde os desafios e as incertezas começam a aumentar. Assim, Obama pretende uma ONU mais eficaz – especialmente em termos económicos -, apelando a reformas nesta organização. O futuro Secretário-Geral das Nações Unidas, que começará a desempenhar as suas funções no dia 1…

  • Opinião,  Sem Categoria

    When Orange is the new Black

    Passou quase um mês desde que acordámos num mundo que já a partir de Janeiro terá no comando um homem cujas capacidades para exercer o cargo de presidente da actual maior potência mundial são bastante duvidosas. E nem é necessário que se tenham ouvido os discursos que Donald Trump fez durante a sua campanha ou assistido aos debates em que enfrentou Hillary Clinton para se perceber isso. Basta prestar atenção à exótica tonalidade alaranjada da pele do republicano. Isto porque, para alguém incapaz de manusear correctamente uma lata de spray auto-bronzeador, deve ser difícil o correcto manejo das leis e dos acordos de um país com a dimensão e o…

  • Opinião

    E agora?

    Esta crónica é escrita ao abrigo do novo acordo ortográfico Aqui há uns largos meses, durante as primárias eleitorais norte-americanas, profetizei que Donald Trump iria ser esmagado pela concorrência democrata. Aparentemente o meu nome não é Cassandra, pois não podia estar mais longe da verdade. Trump ganhou as eleições, até com relativa margem de manobra. Saber como tudo isto aconteceu exige uma análise social e cultural cuidada. Não obstante, alguns fatores parecem-me ser relativamente evidentes: os níveis recorde de abstenção, o desinteresse jovem por ambos os candidatos e um profundo ódio ao grupo sociopolítico que Hillary Clinton representa contribuíram para a vitória de Trump. Mas, agora que o mal está…

  • Atualidade

    Protestos anti-Trump decorrem continuamente há cinco dias

    Desde quarta-feira que milhares de norte-americanos, e não só, saem à rua, insatisfeitos com os resultados da eleição. Donald Trump considerou os protestos injustos para com ele mas uma demonstração de paixão pelo país. O evento que se iniciou em Nova Iorque e em Chicago em poucas horas se espalhou a várias outras cidades norte-americanas (tal como ao Canadá e a Londres), onde multidões se uniram, normalmente em frente aos edifícios do agora presidente eleito. Os protestos eram etnicamente diversificados e maioritariamente constituídos por jovens; foram organizados nas redes sociais ou criados espontaneamente. A noite de quinta-feira foi a que representou um nível de tensão maior, no dia em que,…

  • Atualidade,  Informação

    Ameaça de arma obrigou Trump a ser retirado do palco, mas foi apenas um falso alarme

    Na passada noite de sábado, no comício em Reno, pertencente ao estado de Nevada, o candidato republicano foi retirado do palco pelos serviços secretos dos EUA. Segundo várias fontes do Departamento de Segurança Nacional ao canal ABC, tudo terá começado quando um homem tentou erguer um cartaz com a frase “Republicanos contra Trump”; o pânico instalou-se no desenrolar desta ação, até que alguns membros do público gritaram “gun” (arma). A reação a estas palavras foi imediata: os serviços secretos romperam pelo palco e retiraram Trump para longe da ameaça. O homem foi detido no local, mas mais tarde libertado por não possuir nada mais do que o cartaz. O nome…

  • Opinião,  Secções

    Uma pitada de “Trump”

    Nos EUA a ansiedade relativamente ao dia 8 de novembro é cada vez maior, isto porque as eleições presidenciais americanas não têm deixado ninguém indiferente. Já pouco falta para as eleições e apenas dois candidatos aguentaram toda a pressão existente para puderem agradar, não o povo americano, mas sim todos os seus interesses e “angariar” dinheiro para os seus bolsos cheios de milhões. Quer isto dizer que, provavelmente, a motivação destes dois candidatos, ou pelo menos de Donald Trump, é encher o povo de ilusão. As polémicas “trumpianas” têm avançado a um ritmo alucinante e, semana após semana, conseguem denegrir a imagem de Trump e da sua própria campanha, virando…

  • Atualidade,  Informação

    Autarquias do norte não assinam contrato para verbas da UE destinadas às cidades

    Os presidentes das câmaras do Porto, de Gaia e de Gondomar não vão hoje estar presentes na cerimónia agendada pelo governo em Santa Maria da Feira. A cerimónia marcada visa a celebração da assinatura de contratos de financiamento comunitários. Os autarcas desmarcaram-se, pois afirmam que os valores negociados para a celebração do contrato não foram atualizados. A cerimónia de assinaturas no Europarque não vai contar com alguns autarcas que se recusam a assinar o contrato do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, proposto pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Norte. No caso do Porto, o valor atribuído à autarquia era 26 milhões de euros. Valor considerado pelo autarca Rui Moreira…

  • Opinião,  Secções

    Errei.

    Esta crónica é escrita ao abrigo do novo acordo ortográfico Aqui há uns largos meses, escrevi no meu Facebook que, se Donald Trump fosse o candidato Republicano às eleições presidenciais dos Estados Unidos, teríamos a vitória eleitoral mais esmagadora na história política da esquerda americana. A persistente alienação que Trump provocou, e que continua a provocar, em quase todas as bases votantes parecia ser o prego no proverbial caixão da sua candidatura. Pelo menos numa eleição geral, é claro. Nenhuma demografia saiu ilesa do seu escárnio: mexicanos, mulheres, negros, muçulmanos, homossexuais e afins. Mas chegou a hora de admitir o óbvio: falhei enquanto Nostradamus político. Não tomei em consideração alguns…