• Opinião,  Secções

    Surrealismo musical

    Este artigo é escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico Com um novo álbum e a cumprir 75 primaveras, acho que está na hora de celebrarmos, para variar, em vida, a carreira daquele que muitos consideram ser o melhor músico de sempre – Bob Dylan. Um indubitável génio lírico, multifacetado e dinâmico, capaz de suavidade e acidez, único e irreplicável. Nem o grande Neil Young, por mais que tente, consegue sair da sua sombra. Mas, por mais que deseje glorificar a vida do cantautor, esse não é o objetivo desta crónica. Bob Dylan é o arquétipo de uma tendência musical que infeta esta forma de arte, pelo menos desde o…

  • Música,  Secções

    Kendrick Lamar surpreende com “Untitled Unmastered”

    Depois do lançamento do seu terceiro álbum em 2015, “To Pimp a Butterfly”, no passado dia 4 de março, Kendrick Lamar decidiu presentear-nos com mais uma novidade – “Untitled Unmastered”. Ao contrário do que normalmente se espera de um álbum recente, este inclui temas que Lamar escreveu e gravou entre 2013 e 2016. Interessante é também os oito temas que compõem o álbum chamarem-se todos “untitled” e terem a data em que foram criados. O cantor comentou que os temas eram demos inacabadas do álbum anterior e várias publicações aprovaram esta continuação de “To Pimp a Butterfly”. Lamar, neste álbum, aborda assuntos polémicos, como a espiritualidade e a raça, para…

  • Música,  Secções

    #YearInMusic. 2015: um ano de explosões e ascensões.

    2015 trouxe-nos muita coisa: o regresso de Bruno Mars, que pôs toda a gente a dançar ao som de Uptown Funk¸ parceria com Mark Ronson; o terceiro álbum de Adele, que foi o primeiro álbum na história dos EUA a vender mais de três milhões de álbuns só na primeira semana; o lançamento do (último?) álbum dos Coldplay e o quase-lançamento do novo ANTI-álbum da Rihanna; o produtor Diplo com o seu toque de Midas, a trazer-nos duas das grandes músicas de 2015 (Where Are Ü Now e Lean On, que juntas têm só um bilhão de streams no Spotify). Drake tornou-se uma figura do rap internacional: as suas mixtapes…

  • Música

    A metamorfose de Kendrick Lamar

    Há músicos que podiam ser escritores. Kendrick Lamar podia ser um poeta. Com os seus noviços 27 anos, o jovem norte-americano está a revolucionar o rap e a trazer a poesia de volta aos palcos. Tem sido uma das revelações no mundo da música e mais recentemente faz inclusivamente uma participação na mais recente música de Taylor Swift, “Bad Blood”. O rap já teve várias fases. Eu pessoalmente sempre fui grande fã do rap português, e sou o primeiro a dizer que temos grandes poetas neste registo. Sempre me deleitei mais com a versatilidade e a fonia das nossas sílabas. É tudo mais melodioso, mais poético. Apesar disso nunca tapei…