• Música,  Secções

    CASUAR: O Jogo Ainda Agora Começou

    8 de abril. Sexta-feira à noite. O Clube Lusitano, em Alfama, enche-se de pessoas. Na sala, as pessoas sentam-se no chão, preparadas para assistir à apresentação de “Game Over”, o primeiro álbum de CASUAR:, o projecto a solo de Rui Rodrigues. Sim, as pessoas estão sentadas no chão como se faz quando estás em casa com os amigos. Porque foi assim que a sala se compôs: cheia de amigos, para celebrar. Ele diz que o jogo acabou, mas, para nós, é só o início. Porque só um instrumento não chega Quando conheci o Rui só sabia que ele era guitarrista de uma banda pop. Não sabia mais nada sobre ele.…

  • Música,  Secções

    Playlist de Março: Olá, primavera

    Chegou a primavera. Depois das chuvadas, dos dias escuros e dos fins-de-semana presos em casa, finalmente podemos dizer olá ao Sol com um sorriso e passar tardes no jardim com os amigos (ou então com os livros. Afinal há que estudar.). Portanto, larga o guarda-chuva, esquece as alergias e pega nos fones para ouvires bem a playlist de boas-vindas à primavera que a Secção de Música preparou para ti. José Justo Winter Song – Sara Beirelles ft. Ingrid Michaelson Para dar as boas vindas à primavera e ao horário de verão, ficamos com a pergunta que a música de inverno nos deixa: “está o amor vivo?”. Como também este belo…

  • Música,  Secções

    Paião: 28 anos depois

    Quem nunca trauteou: eles são duas crianças / a viver esperanças / a saber sorrir…? Ou então: pó / de arroz / do teu arrozal / esse pó que é fatal…? Não? A sério? Sou só eu? (…) Está bem: como castigo por nunca o terem feito, agora vão todos ouvir um qualquer álbum de Carlos Paião. Nascido em Coimbra, em novembro de 1957, Carlos Paião licenciou-se em Medicina, pela Universidade de Lisboa, em 1983. Por muito que quisesse salvar vidas, desde sempre soube que a sua arte estava nas suas letras e composições — aos 19 anos tinha mais de 200 temas escritos. Benfiquista ferrenho e fã das corridas…

  • Opinião,  Secções

    Quem tem um cão… tem tudo


    À data de publicação deste artigo, cá por casa estamos a celebrar o 14º aniversário da minha cadela. É verdade, a minha “menina” já tem 14 anos! Crescemos juntas e ela é um dos membros mais importantes da minha família. Quem tem animais de estimação irá, certamente, compreender-me. A Dama — cujo nome foi, muito originalmente, roubado à Dama do filme da Disney, A Dama e o Vagabundo, — nasceu cá em casa. Quando era bebé tinha como passatempo entrar sorrateiramente no meu quarto, pegar num qualquer chinelo e sair a correr. Quando eu a apanhava ela estava a roer o chinelo. Às vezes ela largava-o quando via que eu…

  • Literatura,  Secções

    Cartas de amor… quem ainda as tem?

    Eis-nos chegados àquela altura do ano em que tudo se enche de corações, todos decidem querer dançar ao som de Frank Sinatra e todos almejam viver uma história de amor de meter inveja a qualquer livro da Jane Austen. É isso: o São Valentim está a chegar e traz, com ele, um tal de Cupido. Brace yourselves, o dia dos namorados está aí! O dia dos namorados funciona um bocadinho como no filme Groundhog Day: há pessoas que dariam tudo para viver aquele dia vezes e vezes sem conta, em repetição, e há pessoas para quem um dia naquela vida já era pedir demasiado. Na verdade, o dia dos namorados…

  • Literatura,  Secções

    As nossas escolhas literárias de 2015

    2015 está a terminar e, com o fim do ano, chegam as retrospetivas. A equipa de Literatura da ESCS MAGAZINE não quis ficar de fora e, por isso, hoje trazemos-te o livro preferido de cada um dos elementos desta secção. A escolha da Ana Rita Nunes é o livro “1984”, de George Orwell. Uma máquina do pensamento intemporal. “1984” foi, sem dúvida, o livro que mais me marcou este ano pela sua irreverência. Um grito. Uma exaltação. Um texto brilhante sobre os perigos de uma sociedade vigilante 24 sobre 24 horas. Os cidadãos deste mundo “imaginário” são marionetas nas mãos do poder. O lado mais negro da humanidade é colocado…

  • Música,  Secções

    Está tudo ÁTOA!

    Começaram sem grandes ambições. Eram só um grupo de amigos a fazer música para passar o tempo, quando lhes apetecia. Guilherme Alface, João Direitinho, Mário Monginho e Rodrigo Liaça estavam tão à toa no início que decidiram dar esse nome à sua banda e, assim, nasceram os ÁTOA. O primeiro álbum da banda alentejana, “A Idade dos Inquietos”, saiu no passado dia 20 de novembro e a ESCS MAGAZINE foi conhecer a história do grupo e as expectativas para este álbum, dias antes do lançamento. Como eram os primeiros tempos da banda? Gui: Só fazíamos porcaria, em termos de ensaio. Nós dizíamos “vamos tocar “A Miúda do Terceiro Andar”” e,…

  • Música,  Secções

    One Direction vs. Justin Bieber: o duelo da temporada

    O que é que Justin Bieber e One Direction têm em comum? Têm menos de 25 anos, vendem álbuns aos milhões, têm outros tantos milhões nas contas bancárias e, claro, têm uma vasta legião de fãs. Este ano ganharam algo mais para partilharem: os seus álbuns saíram no mesmo dia. Talvez sejam supersticiosos, mas tanto Bieber como a banda britânica decidiram escolher o dia 13 de novembro. Isto não seria interessante se Justin Bieber não tivesse gravado um snap a brincar com o facto de as datas serem as mesmas e se não tivesse acusado a banda de o usar como publicidade. Verdade seja dita, a data dos One Direction…

  • Opinião,  Secções

    As pequenas coisas inexplicáveis

    Estou a escrever-vos algures entre Coimbra e Celorico da Beira. Não posso precisar o lugar porque o comboio continua a andar e eu a escrever. Passou mais um mês e, por isso, estou de regresso a casa. (Quando lerem isto estou a regressar a Lisboa, mas isso não importa). Há uns dias, Paris foi alvo de vários atentados terroristas. Sempre que há um atentado há também uma parte de mim que treme. Em 2001, vi as notícias do atentado às Torres Gémeas sentada no chão da sala, rodeada de bonecas, com a minha bisavó em choque. Como é que se explica aquilo a uma miúda que ainda não tem sete…

  • Música,  Secções

    D.A.M.A: Foi assim no Campo Pequeno

    Há pouco mais de um ano passei o meu aniversário com um grupo de rapazes. Fiz-lhes uma entrevista num café de Trancoso. Depois, assisti ao soundcheck e pude ver o concerto no backstage, lado a lado com o Salvador Seixas, convidado daquela noite. Pela forma como me trataram naquele dia — acabei a noite a ser fotógrafa de toda a gente, até à última pessoa, na sessão de autógrafos — e pela conversa que tive com eles — na entrevista (http://escsmagazine.escs.ipl.pt/entrevista-d-a-m-a-a-nossa-casa-e-o-palco/) e fora dela — não mais voltei a ver os D.A.M.A da mesma forma. Só tinha estado meia hora com eles e já era tratada como parte da família.…